Um homem e duas mulheres

um_homem_e_duas_mulheres.jpg
Entornointeligente.com /

Foi há quase meio século: a edição de 1973 do Festival de Cannes ficou marcada pela passagem de La Maman et la Putain ( A Mãe e a Puta ), de Jean Eustache. A sua visão tão desencantada quanto comovente, dir-se-ia a meio caminho entre tragédia e farsa, das atribulações de um homem e duas mulheres – ele, Jean-Pierre Léaud, elas, Bernadette Lafont e François Lebrun – gerou um fenómeno genuíno (hoje em dia quase impossível) de paixões desencontradas, oscilando entre a veneração e o escândalo.

Relacionados festival de cannes.  Top Gun: Maverick, o filme que deixou Cannes nostálgica de 1986

Se precisamos, desde já, de um rótulo para classificar o festival de 2022, ele aí está: este é o ano de redescoberta de La Maman et la Putain! A secção Cannes Classics abriu com a apresentação de uma nova cópia do filme de Eustache: um esplendoroso restauro, tanto das imagens a preto e branco, como do som direto, cuja projeção contou com as presenças luminosas de Léaud e Lebrun (ambos à beira de celebrar o 78.º aniversário).

Marcado pela ressaca emocional e ideológica do pós-Maio 68, La Maman et la Putain é, afinal, um filme sobre a mais velha, e também mais assombrada, interrogação humana: como nos relacionamos? Interrogação inevitavelmente pontuada pela brecha filosófica, agudizada pelas convulsões da década de 60: que acontece quando um homem e uma mulher se entregam, cada um à deriva no desejo do outro? Ou ainda: haverá maneira de clarificar a primordial dicotomia amor/sexo?

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Além do mais, o cinema de Eustache devolve-nos esse carinho pela palavra (escrita e falada), desconhecido do medíocre linguajar que invadiu o nosso presente. Com uma notícia que importa sublinhar: a nova cópia de La Maman et la Putain vai ser distribuída em Portugal pela Leopardo Filmes.

[email protected]

LINK ORIGINAL: Diario Noticias

Entornointeligente.com