Trump voltou aos comícios e a estratégia pode passar agora por atacar Kamala Harris » EntornoInteligente
Entornointeligente.com /

Dez dias depois de ter sido diagnosticado com covid-19, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou aos comícios na segunda-feira, na Florida, um dos estados decisivos nas eleições do próximo dia 3 de Novembro, onde surge quatro pontos percentuais atrás do candidato do Partido Democrata, Joe Biden, segundo a média das sondagens agregadas pelo site Real Clear Politics .

Mais populares Do “Mini” ao Max: os novos iPhone são todos 5G 21 medidas para famílias, pensionistas, trabalhadores, empresas e até animais i-album Fotografia Na Colômbia, pescam-se corpos e “adoptam-se” mortos para chorar a guerra civil Entre declarações em que se dizia sentir “poderoso” e com vontade de “beijar toda a gente na audiência “, Donald Trump fez vários ataques ao seu adversário democrata, numa tentativa de recuperar a desvantagem nas sondagens, uma estratégia que, contudo, não parece estar a resultar, já que Biden continua a liderar a nível nacional e a surgir ligeiramente à frente das intenções de voto nos estados decisivos, como a Florida. 

Por isso, alguns analistas apontam para uma mudança na estratégia da campanha republicana, que se prepara para pôr o foco dos ataques em Kamala Harris, a “vice” escolhida por Biden .

Descrevendo Kamala Harris como “agressiva” e Joe Biden como “dócil”, o antigo líder da Câmara dos Representantes Newt Gingrich, apoiante de Trump, tem pressionado a campanha do Presidente norte-americano para colar a senadora ao rótulo de extremista.

“Se os eleitores perceberem a dimensão do seu radicalismo, vão concluir que seria demasiado arriscado ter uma pessoa assim na Casa Branca”, disse Gingrich à Associated Press.

Na semana passada, após o debate entre Kamala Harris e Mike Pence , Trump começou a ensaiar os ataques à senadora democrata, chamando-lhe “monstro” e “comunista”. “Ela é uma comunista. Não é uma socialista, está muito para lá disso. Ela quer abrir as fronteiras e permitir que assassinos e violadores entrem no nosso país”, disse o Presidente norte-americano, no rescaldo do debate, à Fox Business. “Ela está à esquerda do Bernie [Sanders]. É uma comunista”, reforçou.

Noutra entrevista à Fox News, Trump agitou o fantasma da possível sucessão de Biden – que, a ser eleito, será o Presidente mais velho da história do país, tomando posse do cargo com 78 anos – e insinuou, sem sustentar a sua posição com provas, que Kamala Harris sucederá ao candidato democrata “três meses após a tomada de posse”.

Radicalismo? Marcia Fudge, congressista democrata pelo estado de Ohio, chama a atenção para os ataques racistas e misóginos levados a cabo por alguns membros do Partido Republicano, e em particular Trump, numa tentativa de criar entusiasmo junto da sua base de apoio.

“É realmente um esforço para dizerem à sua base: ‘Olhem, não queremos que uma mulher negra seja Presidente, que uma pessoa negra assuma o poder caso aconteça algo a Joe Biden’”, disse à  AP Fudge, que liderou o Congressional Black Caucus, hoje presidido por Karen Bass .

No entanto, sublinha a congressista, os esforços para colar Kamala Harris a uma imagem de radicalismo não fazem qualquer sentido. “Os republicanos falam consistentemente de lei e ordem  e [Kamala] é a única pessoa nesta corrida que tem essa experiência”, reitera.

Quando foi escolhida por Joe Biden, os analistas apontaram precisamente para o facto de a senadora e antiga procuradora-geral de São Francisco e da Califórnia ser considerada uma figura do establishment , que não entusiasma particularmente a ala mais à esquerda do Partido Democrata , encabeçada por figuras como Bernie Sanders, Elizabeth Warren ou Alexandria Ocasio-Cortez.

Kamala Harris, de resto, foi criticada pela esquerda precisamente por, durante o seu mandato enquanto procuradora, ser demasiado dura com a pequena criminalidade, sobretudo com a posse de drogas leves.

Segundo dia de audições No comício da Florida, enquanto Donald Trump tentava colar o Partido Democrata à “Cuba comunista” e à “Venezuela socialista”, num piscar de olho ao eleitorado hispânico, importante no estado, e prometia “salvar o país da esquerda radical”, Kamala Harris participava na audição da juíza conservadora Amy Coney Barrett, escolhida pelo Presidente norte-americano para preencher a vaga no Supremo Tribunal com a morte de Ruth Bader Ginsburg .

Sem os votos necessários no Senado para impedir a nomeação da juíza , o Partido Democrata está a apostar na estratégia de colar Amy Barrett a uma tentativa do Presidente Trump para destruir o Obamacare , e Kamala Harris, que no primeiro dia de audiência participou por videoconferência, disse que a sessão “devia ter sido adiada” devido à covid-19 e visou directamente Trump e o Partido Republicano.

“Acredito que esta audiência é uma tentativa clara de fazer passar um nomeado para o Supremo Tribunal que vai retirar os cuidados de saúde a milhões de americanos, durante uma pandemia mortífera que já matou mais de 214 mil americanos”, acusou Harris, no primeiro dia de audiência, sem referir uma única vez o nome de Amy Coney Barrett.

Esta terça-feira, os senadores puderam questionar directamente a juíza, e a “vice” de Joe Biden teve oportunidade de interpelar Amy Barrett que, caso veja a sua nomeação ser confirmada, dará uma maioria de 6-3 aos juízes conservadores  no Supremo, o que pode influenciar a política norte-americana durante várias décadas, já que o cargo é vitalício. Se for nomeada, como pretende o Partido Republicano, antes das eleições, Barrett será já  chamada a decidir sobre a inconstitucionalidade do Obamacare, que será discutida pelo Supremo no dia 10 de Novembro, uma semana após as eleições.

O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.

Subscrever × Durante o segundo dia de audiências, o primeiro em que respondeu às perguntas dos senadores, a juíza conservadora disse que não é “hostil” ao Obamacare, e garantiu que consegue pôr de lado as suas crenças religiosas – é uma católica devota e foi serva num grupo religioso – e que não tem agenda, prometendo “nunca discriminar com base nas preferências sexuais”. Nas questões sobre o aborto, Barrett optou por fugir ao tema. 

Questionada sobre o caso de George Floyd , o afro-americano assassinado por um polícia branco em Mineápolis , em Maio, Barrett disse que o assunto era “bastante pessoal” para a sua família, porque dois dos seus sete filhos são negros, nascidos no Haiti, revelando que uma das suas filhas chorou ao ver o vídeo.

“É difícil para nós, tal como para todos os americanos”, disse a juíza, afirmando que o “racismo persiste” nos Estados Unidos.

Continuar a ler
LINK ORIGINAL: Publico

Entornointeligente.com

URGENTE: Conoce aquí los Juguetes más vendidos de Amazon
>

Más info…

Smart Reputation

Prince Julio César en NYFW 2020

Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation

Prince Julio Cesar en el New York Fashion Week Spring Summer 2021

Publicidad en Entorno

Advertisement

Adscoins

Smart Reputation