Relatório do Ministério Público conclui que Volks teve coloboração 'persistente e consistente' com a ditadura » EntornoInteligente

Relatório do Ministério Público conclui que Volks teve coloboração 'persistente e consistente' com a ditadura

relatorio_do_ministerio_publico_conclui_que_volks_teve_coloboracao_26_23039_3Bpersistente_e_consistente_26_23039_3B_com_a_ditadura.jpg

Entornointeligente.com / SÃO PAULO — O relatório final das investigações realizadas pelos Ministérios Públicos Federal (MPF), do Trabalho (MPT) e do Estado de São Paulo (MPE) concluiu que houve uma “persistente e consistente colaboração ativa da Volkswagen com o regime militar” brasileiro (1964-1985). Ainda de acordo com o documento, a montadora alemã “demonstrou vontade de participar do sistema repressivo, sabendo que submetia seus funcionários a risco de prisões ilegais e tortura”.

Leia : ‘ Pequi roído’: MPF diz que não houve crime contra a honra de Bolsonaro em outdoors

O texto foi divulgado nesta quarta-feira, data em que o golpe militar completa 57 anos. Em setembro do ano passado, a Volkswagen aceitou firmar um termo de ajustamento de conduta com o MPF, MPT e MPE  e destinar R$ 36,3 milhões a ex-funcionários e para iniciativas de promoção de direitos humanos. O acordo tinha o objetivo de evitar responsabilizações judiciais pela sua coloboração com a repressão.

Apesar do acordo, o relatório, oriundo de inquéritos instaurados em 2015, foi concluído. O documento teve coloboração de dois pesquisadores externos. O MPF e MPE contrataram o cientista político Guaracy Mingardi, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e a Volkswagen na Alemanha, o professor Christopher Kopper, da Universidade de Bielefeld.

Leia também:   Oposição protocola pedido de impeachment de Bolsonaro por ‘cooptação’ das Forças Armadas

“Os fatos até aqui reportados demonstram que a colaboração da empresa não foi eventual ou fruto de pressões insuportáveis. Ao contrário, está claro que a Volkswagen estabeleceu por disposição própria uma intensa relação de contribuição com os órgãos da repressão política, muito além dos limites da fábrica”, afirma o relatório.

A decisão de aceitar pagar indenizações aos ex-funcionários representou uma mudança de postura da Volkswagen. Em dezembro de 2017, a montadora realizou um evento em sua  sede em São Bernardo do Campo para apresentar as conclusões da pesquisa de Kopper. Na ocasião, a direção da empresa dizia que cogitava reparar seus ex-funcionários presos em razão de militância sindical durante a ditadura porque não foram encontradas evidências claras de que a cooperação com a ditadura era institucionalizada .

PUBLICIDADE Em janeiro de 2018, o GLOBO teve acesso ao relatório de Minguardi, que apontava divergências em relação às revelações feitas pelo historiador alemão. O cientista político reproduzia um informe do Serviço Nacional de Informação (SNI) com relato de que o presidente da fabricante de veículos na época, Wolfang Sauer, era informado sobre toda e qualquer atividade de repressão promovidas pelo setor de segurança da montadora.

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

URGENTE: Conoce aquí los Juguetes más vendidos de Amazon

www.smart-reputation.com
Smart Reputation

Noticias de Boxeo

Boxeo Plus
Boxeo Plus
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation

Adscoins

Smart Reputation

Smart Reputation