«Quis que Dave Chappelle soubesse que não é uma brincadeira», diz agressor do comediante

_quis_que_dave_chappelle_soubesse_que_nao_e_uma_brincadeira_2C_diz_agressor_do_comediante.jpg
Entornointeligente.com /

O homem que placou o comediante Dave Chappelle em palco no início do mês justifica o ataque por se ter sentido provocado pelas piadas do também actor norte-americano, defendendo que Chappelle devia ser mais «sensível» na escolha dos seus temas. Isaiah Lee, entrevistado num centro de detenção em Los Angeles pelo New York Post , diz ter-se sentido provocado por piadas sobre sexualidade, sobre ser sem abrigo e pedofilia que ouviu na noite do festival de comédia que teve como anfitrião a Netflix e Chappelle.

A entrevista ao tablóide acontece quando Lee enfrenta quatro acusações por delitos e está detido na Twin Towers Correctional Facility. O agressor, cuja subida ao palco no final de uma das noites do festival Netflix is a Joke correu mundo ao derrubar Chappelle e evocar memórias recentes da agressão de Will Smith a Chris Rock nos últimos Óscares, diz ter querido chamar a atenção para a sensibilidade das causas LGBTQ e dos sem-abrigo.

«Identifico-me como bissexual e quis que ele soubesse que o que disse foi um gatilho», diz ao Post , usando o termo » triggering » para aludir às sensações negativas e traumáticas originadas por uma expressão ou comportamento. «Quis que ele soubesse que da próxima vez, devia considerar ouvir pessoas que possam ser afectadas pelo seu material [de comédia] antes [de o usar em palco]», explicou ainda.

Isaiah Lee foi imediatamente agarrado pelos seguranças no espectáculo, também em Los Angeles, e depois detido pela polícia local. Sofreu ferimentos durante a detenção, tendo, segundo o mesmo jornal, um braço partido. Garante não sofrer de problemas de saúde mental, mas o seu advogado diz que está a ser acompanhado nesse âmbito, e que não foi ao festival com intenções agressivas. Esperava «passar um bom bocado» mas terá ficado cada vez mais frustrado com as piadas de Chappelle sobre situações que viveu — «Sou pai solteiro e o meu filho tem cinco anos», disse o homem de 23 anos à laia de contexto, detalhando que já viveu sem casa. «Quis que Dave Chappelle soubesse que não é uma brincadeira.»

Ainda assim, terá sido uma outra piada no alinhamento do espectáculo – que contou com outros comediantes em palco -, cuja autoria não foi identificada, e que se referia à pedofilia que o perturbou ao ponto de subir ao palco. Lee, que tinha consigo uma arma a fingir que contém contudo uma faca quando é «disparada», diz ter sido alvo de abuso sexual quando viveu sob custódia estatal aos 17 anos.

Isaiah Lee também se identifica com um nome de rap, NoName_Trapper, e tem uma música intitulada Dave Chappell (sic). Diz que por estar nessa carreira paralela é que tinha consigo a réplica de uma arma, e não por ter intenção de a utilizar contra o comediante.

O ataque de 3 de Maio reavivou o caso Will Smith e a sua agressão em pleno palco dos Óscares sobre o comediante Chris Rock após um comentário do último sobre a cabeça rapada da mulher do actor, Jada Pinkett Smith. Na altura, os riscos em que incorrem os humoristas em palco foram alvo de debate, entre tentativas de discutir os «limites do humor» e as chamadas de atenção contra a violência física e a defesa da liberdade de expressão. Dave Chappelle enfrenta desde o final de 2021 acusações de transfobia pelo foco do seu último espectáculo gravado para a Netflix, The Closer .

Depois do espectáculo e de a escaramuça ter sido resolvida, Chappelle conversou com Lee. É algo a que o comediante já aludira e agora Lee revela que lhe disse que a sua mãe e a sua avó «que lutaram pelos direitos civis dele para que tivesse direito de falar, ficariam incomodadas com as coisas que ele disse». Chappelle tinha apenas comentado que o seu atacante tinha dito coisas soltas sobre a gentrificação no bairro nova-iorquino de Brooklyn e os efeitos da mesma na sua avó.

LINK ORIGINAL: Publico

Entornointeligente.com