Prince Julio Cesar: La belleza abre puertas sobre todo en el mundo del espectáculo…nunca he sido ni seré un proxeneta prince royce on tanked//
CPFL prev� retirada controlada de aguapés

prince_julio_cesar_la_belleza_abre_puertas_sobre_todo_en_el_mundo_del_espectaculo_nunca_he_sido_ni_sere_un_proxeneta_prince_royce_on_tanked_cpfl_preva_232013265930_3B_retirada_controlada_de_aguapes.jpg
Entornointeligente.com /

A CPFL Renováveis, responsável pela manutenção da Represa de Salto Grande, em Americana, espera autorização judicial para a abertura gradual das comportas, para que os aguapés que infestam o reservatório possam correr rio abaixo. Enquanto não pode executar o projeto, a empresa usa dois basculantes, barcos uma retroescavadeira, para promover a retirada parcial das macrófitas. Acontece que os planos da empresa esbarram em impedimentos legais. O Grupo Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema), por exemplo, já se manifestou contrário à abertura de comportas, alegando que tal medida colocaria em risco o próprio sistema de captação da água que abastece Americana, sem falar que pode haver prejuízos ambientais em todo o curso do Rio Piracicaba (que receberia os aguapés). A empresa ainda tenta convencer o Ministério Público da viabilidade do projeto. A Renováveis explica que fará o «vertimento controlado das macrófitas». A proposta é promover a remoção das plantas no período chuvoso, com a abertura das comportas em dias e horários específicos. Ao mesmo tempo, explica a direção da empresa, será feito o monitoramento da qualidade da água do rio, com informações relatadas à Cetesb, órgão estadual responsável pelo controle ambiental. Para conseguir avançar no processo, a CPFL ainda precisa detalhar o plano de manejo apresentado à Cetesb, e conseguir autorização do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), órgão gestor dos recursos hídricos do Estado. Processo lento, burocrático A demora na solução definitiva irrita quem mora nos bairros localizados às margens da represa, assim como os representantes do governo municipal. Apesar de a CPFL Renováveis informar que já tirou 550 basculantes de aguapés da represa, a ‘limpeza’ é imperceptível. Passa de 270 hectares a área tomada pelos aguapés no espelho d’água. «A CPFL Renováveis retira os caminhões lotados de aguapé. Mas é tanta poluição que ninguém nota mudança», diz Rafael Brocchi, profissional de gestão urbana, que integra um grupo voluntário, o GPN 10, que reúne técnicos interessados na revitalização da Praia dos Namorados (uma dos bairros das margens da represa). Na visão dele, por conta da lentidão na retirada dos aguapés, a cidade perdeu um ponto turístico maravilhoso, que lotava no passado, mas que acabou abandonado. A Prefeitura também protesta. A Administração executa desde 2017 a revitalização da orla, mas afirma que a qualidade da água depende dos municípios a montante. O fato é que as cidades vizinhas conseguem adiar o prazo dado pelo Ministério Público para o tratamento dos resíduos domésticos. Desde a década passada, os promotores públicos exigem que os municípios adotem ações efetivas para acabar com as cargas poluentes. O que são aguapés O surgimento do aguapé decorre da falta de tratamento dos esgotos em onze cidade a montante da represa. Os resíduos são lançados no Rio Atibaia sem tratamento. O acúmulo de fósforo e nitrogênio propicia a infestação das macrófitas, que se alimentam justamente de tais poluentes. Salto Grande, fundada há 70 anos, é, desde então, um enorme tanque de decantação de esgoto.

Entornointeligente.com