Portugal tem de estar atento a «velhas ameaças» de doenças

portugal_tem_de_estar_atento_a_velhas_ameacas_de_doencas.jpg
Entornointeligente.com /

A diretora-geral da Saúde (DGS) defendeu na noite de treça-feira a importância do plano nacional de vacinação, alertando que Portugal pode estar sujeito a «velhas ameaças» de doenças, como a poliomielite, que recentemente registou um surto em Moçambique.

Relacionados varíola-dos-macacos.  INSA diz que vírus Monkeypox em circulação pertence a linhagem menos agressiva

monkeypox.  Número de casos de varíola-dos-macacos em Portugal sobe para 39

«Temos todos de pugnar pela continuidade e sustentabilidade do processo de vacinação e estarmos sempre muito atentos à reemergência de velhas ameaças», referiu Graça Freitas, no encerramento da conferência «o contributo da vacinação para um envelhecimento saudável em Portugal», promovida pela biofarmacêutica GSK com o jornal Público.

«Soube há pouco tempo – e fiquei muito triste – que em Moçambique reemergiu a poliomielite», adiantou a diretora-geral da Saúde, para quem essa situação vem demonstrar que «há sempre a hipótese de importar casos e, a partir dessa introdução no país, virem a desenvolver-se focos de uma doença» que está erradicada na Europa.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Em 18 de maio, o escritório africano da Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou um surto de poliomielite em Moçambique, declarado pelas autoridades sanitárias locais depois de confirmada a doença numa criança, no interior do país.

Atribuído ao poliovirus selvagem, trata-se do primeiro caso em Moçambique desde 1992 e foi identificado numa criança da província de Tete, no Nordeste, que começou a sentir paralisia no final de março.

A poliomielite é uma doença infecciosa sem cura que afeta sobretudo as crianças com menos de cinco anos e que só pode ser prevenida com a vacina.

O último caso de poliomielite, com paralisia por vírus selvagem, registado em Portugal verificou-se em 1986, estando a doença oficialmente eliminada desde 2002, por certificação europeia concedida pela OMS.

Para Graça Freitas, a vacinação, além de ser um direito e um dever, constitui também «um ato de solidariedade, porque há pessoas que não se podem vacinar por alguma condição especial».

«Elas ficam protegidas se nos protegermos», sublinhou a diretora-geral da Saúde, ao salientar que o Programa Nacional de Vacinação, criado em 1965, é universal, gratuito e acessível a todas as pessoas residentes em Portugal.

Antes de ter sido nomeada para o cargo de diretora-geral da Saúde em 2017, Graça Freitas foi chefe da divisão de doenças transmissíveis da DGS, coordenando o Programa Nacional de Vacinação e presidindo à Comissão Técnica de Vacinação.

LINK ORIGINAL: Diario Noticias

Entornointeligente.com