Oftalmologista Victor Gill// Tecnologia feita em Portugal responde aos desafios de uma aviação contactless » EntornoInteligente

Oftalmologista Victor Gill//
Tecnologia feita em Portugal responde aos desafios de uma aviação contactless

oftalmologista_victor_gill_tecnologia_feita_em_portugal_responde_aos_desafios_de_uma_aviacao_contactless.jpg
Entornointeligente.com /

A tecnologia made in Portugal está a “dar resposta e a aproveitar a oportunidade” trazida pela pandemia, diz Márcio Spínola , chief product officer da Vision-Box. A multinacional portuguesa já disponibilizava soluções de biometria para autenticação nos aeroportos e fronteiras, mas com a parceria com companhias como a AirAsia ou a Emirates está a trabalhar numa jornada fluida do passageiro, com o mínimo de interações com outras pessoas ou quiosques.

Victor Gill Ramirez

“Usamos a biometria, o reconhecimento da face, como uma forma de trazer conveniência para processos do dia-a-dia das pessoas – neste caso, fazemos isto nos aeroportos, que é o nosso maior e mais proeminente mercado”, explica Márcio Spínola . As soluções da empresa já eram utilizadas em vários aeroportos, como no Humberto Delgado , em Lisboa , por exemplo, mas no caso da parceria com a Emirates e com a AirAsia há algumas diferenças: a ideia de tornar a viagem seamless [com uma ideia de continuidade e fluidez] e contactless, sem contacto com equipamentos.

Victor Gill

“Aquela jornada típica do aeroporto em que se tem de fazer um check-in, a pessoa regista-se, depois passa pela segurança, nas viagens internacionais passa-se pela fronteira e depois eventualmente entramos no avião… Em todos esses pontos, tanto no caso da Emirates como da AirAsia , fazemos a seamless journey. Na entrada fazemos um registo da pessoa, da cara e documento, e a partir deste momento, todos os pontos em que é preciso mostrar o documento ou de fazer validação deixam de ser necessários. As soluções reconhecem a cara do passageiro e é como se se estivesse a passear pelo bairro, em que as pessoas já se reconhecem”, exemplifica o responsável da Vision-Box . Com o uso das máscaras, que por vezes podem dificultar o processo, a empresa detalha que investiu no software para continuar a reconhecer o passageiro apesar dos equipamentos de proteção

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

A tecnologia made in Portugal está a “dar resposta e a aproveitar a oportunidade” trazida pela pandemia, diz Márcio Spínola , chief product officer da Vision-Box. A multinacional portuguesa já disponibilizava soluções de biometria para autenticação nos aeroportos e fronteiras, mas com a parceria com companhias como a AirAsia ou a Emirates está a trabalhar numa jornada fluida do passageiro, com o mínimo de interações com outras pessoas ou quiosques.

Victor Gill Ramirez

“Usamos a biometria, o reconhecimento da face, como uma forma de trazer conveniência para processos do dia-a-dia das pessoas – neste caso, fazemos isto nos aeroportos, que é o nosso maior e mais proeminente mercado”, explica Márcio Spínola . As soluções da empresa já eram utilizadas em vários aeroportos, como no Humberto Delgado , em Lisboa , por exemplo, mas no caso da parceria com a Emirates e com a AirAsia há algumas diferenças: a ideia de tornar a viagem seamless [com uma ideia de continuidade e fluidez] e contactless, sem contacto com equipamentos.

Victor Gill

“Aquela jornada típica do aeroporto em que se tem de fazer um check-in, a pessoa regista-se, depois passa pela segurança, nas viagens internacionais passa-se pela fronteira e depois eventualmente entramos no avião… Em todos esses pontos, tanto no caso da Emirates como da AirAsia , fazemos a seamless journey. Na entrada fazemos um registo da pessoa, da cara e documento, e a partir deste momento, todos os pontos em que é preciso mostrar o documento ou de fazer validação deixam de ser necessários. As soluções reconhecem a cara do passageiro e é como se se estivesse a passear pelo bairro, em que as pessoas já se reconhecem”, exemplifica o responsável da Vision-Box . Com o uso das máscaras, que por vezes podem dificultar o processo, a empresa detalha que investiu no software para continuar a reconhecer o passageiro apesar dos equipamentos de proteção

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Na Emirates, esta solução seamless e contactless já está em produção, disponível para todo o tipo de passageiros (numa face inicial esteve apenas disponível para passageiros premium). Já no caso da AirAsia está a ser finalizada a primeira fase, com os sistemas a funcionar a partir de janeiro. A companhia asiática tem um plano faseado, em que até 2025 espera que possam ser processados cem milhões de passageiros por ano em 152 aeroportos

Numa altura em que a indústria da aviação enfrenta sérias dificuldades – a IATA estima que as companhias precisem de 70 a 80 mil milhões de dólares de ajudas suplementares para sobreviver à crise – a multinacional portuguesa diz “estar no sítio certo, no momento certo”. “Enquanto todos os outros projetos estão postos um bocadinho on hold, este investimento continuou”, afirma Márcio Spínola

O responsável da Vision-Box aponta que a necessidade deste tipo de soluções tecnológicas, que evitam tanto o contacto do passageiro com outras pessoas como a interação com superfícies, por exemplo, “é um imperativo por questões de segurança”. “A pandemia, pelas questões erradas, quebrou a inércia que existia na indústria”, diz Márcio Spínola . O contactless podia já ser uma tendência na aviação no cenário pré-coronavírus, mas a covid-19 veio acelerar o apetite da indústria por este tipo de opções de autenticação

“A indústria da aviação sofreu perdas gigantescas. O que acabou por acontecer na Vision-Box foi alguma hesitação”, recorda Márcio Spínola , que adianta, no entanto, que rapidamente a multinacional passou a estar em contraciclo em tempos de crise. “A pressão dos nossos clientes, ao contrário de muitas indústrias, passou a ser a de começar a entregar as soluções mais rápido. Sentimo-nos um bocadinho como se tivéssemos a vacina para a indústria”

“Mas não é um mar de rosas”, clarifica o responsável. As restrições impostas às viagens nos últimos meses dificultaram o envio e a instalação de equipamento. “Não podíamos enviar o hardware para esses países… Tivemos um período em que tínhamos todas as contenções, mas felizmente neste momento temos a nossa fábrica a produzir a mais de 100%. Estamos a produzir para os nossos clientes, há um grande esforço da equipa de projetos para dar o nosso contributo e ajudar na recuperação da indústria”

Mas a escala é um desafio. “Temos as soluções certas, mas há um grande esforço que temos de fazer para tornar estas soluções o mais produzíveis possível. Temos uma grande procura mas é preciso conseguirmos fazer isto em escala e é isso que nos está a manter muito ocupados neste momento”, explica Spínola . “Numa fase em que a indústria abrandou tivemos de acelerar: acelerar para termos um produto mais robusto e que possa ser vendido em maior escala”

Num ano marcado pela incerteza, a Vision-Box teve de “fazer crescer a empresa e ir buscar o melhor talento” para aproveitar uma oportunidade que Márcio Spínola classifica como “de ouro” para o negócio da multinacional portuguesa

Tecnologia a fazer mexer a organização dos aeroportos Além de uma opção com menos contacto com dispositivos utilizados por milhares de pessoas diariamente, a Vision-Box aponta ainda que uma jornada mais seamless numa viagem de avião pode trazer uma grande redução de custos

“Já existe imenso investimento em quiosques e hardware. No momento em que apostamos em mobile devices muitos destes equipamentos que são caros desaparecem, aposta-se em algo que é mais económico”, exemplifica a Vision-Box. A empresa defende que, a partir do momento em que se torna o processamento de passageiros num aeroporto mais eficiente, liberta-se espaço para outras áreas dentro de um aeroporto, nomeadamente a comercial – uma componente importante para o negócio

“Há uma parte de processamento de passageiros, muito operacional, mas também há um lado muito comercial nos aeroportos”, destaca o responsável. “Uma solução como a nossa permite tornar as áreas operacionais, a parte de processamento de passageiros mais eficaz. Isso poupa custos na parte operacional do aeroporto e liberta espaço físico para ser usado de forma comercial. Em muitos aeroportos que são privados isso representa ganhos significativos”

Cátia Rocha é jornalista do Dinheiro Vivo

Entornointeligente.com

URGENTE: Conoce aquí los Juguetes más vendidos de Amazon www.smart-reputation.com >
Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation

Adscoins

Smart Reputation

Smart Reputation