O ódio a Trump cega » EntornoInteligente
Entornointeligente.com /

Donald Trump foi o pior presidente americano de que nos lembramos. Afastou aliados quando era mais necessário tê-los, dividiu o país ao limite de uma quase guerra civil às portas das eleições e revelou absoluta desconsideração pela instituição da presidência, portando-se como um bárbaro diante dos pilares do Estado. Por todas estas razões, merece perder. Mas isso não é tudo o que há a dizer sobre estes tempos.

A fúria que Trump provoca tem impedido de ver muita coisa para além da guerra ideológica que, de resto, parcialmente o beneficia.

Ao longo dos últimos cinco anos, o atual presidente dos Estados Unidos da América foi tratado pela maioria da comunicação social como se apenas pudesse ser motivo de horror ou chacota. Muitas vezes com razão – de resto, Trump procura esse confronto e beneficia dele. Aquela personalidade só pode ser presidente de uns contra os outros – mas vezes de mais apenas porque essa também é a versão que o outro lado quer mostrar.

Qualquer análise da presidência Trump precisa de perceber o que motiva parte do seu eleitorado, conhecer os resultados económicos até às vésperas da pandemia e o que resultou na política externa. Exibir apenas os bárbaros, os fanáticos, com armas e sem máscaras, e confrontá-los com a elite urbana e educada que se lhes opõe, é tão redutor como os discursos do presidente. A América da CNN e do The New York Times é tão enviesada como a da Fox News, ainda que mais sofisticada.

Durante anos, a Europa, ou parte dela, pediu que os americanos saíssem do Médio Oriente, que não se portassem como polícias do mundo e que se abstivessem de promover a transformação de regimes e a democratização de lugares distantes. Pois bem, aí têm. Trump está a concluir o processo que Obama iniciou, virando-se para o Pacífico, a tirar tropas do Afeganistão, a promover acordos entre Israel e vários vizinhos, e a América deixou de estar obcecada com a Rússia, que considera mais uma prepotência regional do que uma potência global ameaçadora. O mundo americano está a mudar.

Quem pensa que o papel da América no mundo livre é fundamental e, pelo menos por enquanto, insubstituível lamenta o que se está a passar. Mas quem o desejou e, querendo ou não, quem governa vai ter de viver com esta mudança.

A Suécia, quem nem parte da NATO faz, rearma-se; a Rússia ameaça descaradamente a vizinhança até às fronteiras europeias; a Turquia, apesar da Aliança Atlântica, procura agressivamente um lugar próprio de domínio entre a Europa e o mundo árabe.

Há muitos europeus a achar que, derrotado Trump, o mundo será o lugar convivial que nunca foi. Fanatizados pelo seu ódio ao presidente americano, não querem perceber que têm de fazer escolhas, desde logo sobre a China, e assumir responsabilidades pela gestão dos riscos à volta das suas fronteiras. Trump não inventou Putin, não criou as tensões no Médio Oriente e as ambições do Irão, nem alimentou a China. O ódio a Trump é um estado de alma, não é uma política.

LINK ORIGINAL: Diario Noticias

Entornointeligente.com

URGENTE: Conoce aquí los Juguetes más vendidos de Amazon >

Más info…

Smart Reputation

Prince Julio César en NYFW 2020

Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation

Prince Julio Cesar en el New York Fashion Week Spring Summer 2021

Publicidad en Entorno

Advertisement

Adscoins

Smart Reputation