O Brasil não vai se acabar

Entornointeligente.com /

Lévi Strauss nos disse que existem dois grupos de cientistas sociais e homens políticos: os conservadores, que acham que a idade de ouro da humanidade foi vivida no passado; e os progressistas, que garantem que a idade de ouro está no futuro. Ninguém se dá conta de que a idade de ouro será sempre o tempo que nos é dado viver, o único no qual podemos intervir e dar-lhe um rumo mais próximo daquilo que julgamos valer à pena.

Estamos praticamente às vésperas de uma eleição presidencial e temos que exigir, em primeiríssimo lugar, que o vencedor respeite a Constituição que nós todos, expressa ou implicitamente, juramos respeitar. Governar ignorando a Constituição é viver numa selva em que só a violência e o acaso decidem o que deve acontecer. Temos o direito de supor que as leis talvez não traduzam a cultura de nosso povo, a quem devemos propor a mudança, se precisarmos mudá-las. Mas só ele e seu desejo têm o direito de mexer nelas.

Toda Constituição democrática deve garantir à maioria a liderança da sociedade e reconhecer o direito de as minorias se manifestarem e viverem do jeito que julgarem mais apropriado, sem fazer mal a ninguém. Se no discurso dominante não houver uma mínima possibilidade de o contrário do que afirmamos estar certo, ele será sempre um discurso autoritário que não serve ao progresso da humanidade. Toda lei é um acordo entre cidadãos que desejam permanecer juntos, unidos numa mesma sociedade, com os mesmos fins.

O sonho acabou e o Brasil virou o que é agora — um país sem caráter, de desigualdades e desemprego, de fome e miseráveis desassistidos, uma economia em recessão, sem expectativa de recuperação em prazo humano. Um país violento, desorientado e caótico, à beira de uma catástrofe definitiva. E nada mais iluminado para nossos olhos do que aquilo que não temos como evitar. Basta dormir em paz e, na manhã seguinte, acordar novamente com o relho na mão. O que valia mesmo era o prazer de viver num país onde, mesmo merecendo essa ou aquela correção de rumo (às vezes profunda), havia um horizonte de luz à nossa espera. E nós todos acreditávamos com orgulho nesse horizonte, podíamos viver dessa expectativa ou dessa esperança.

PUBLICIDADE A democracia, o sistema político por excelência da civilização, não é a imposição do modo de vida da maioria; mas o regime em que as minorias têm garantido o seu direito de ser diferente.

Essa próxima eleição tem que servir para evitar a catástrofe definitiva. Não se trata de uma escolha entre políticos, programas, partidos. O que está em jogo é um capítulo final dessa história de decadência, a disputa que pode ser derradeira entre civilização e barbárie. É a uma dessas duas formas de viver e conviver que vamos dar o nosso voto.

O Brasil cansou mas não acabou. Nessas eleições mesmo, com tão pouca reflexão, a multiplicação das posições políticas, deixando o esquematismo tradicional dos diversos «populismos nacionais», é uma notícia positiva que deve ser desenvolvida, fora das eleições, por quem estiver afim de reencontrar o povo. As mulheres brasileiras, por exemplo, foram às ruas, exercendo seu direito de manifestação e inaugurando uma nova etapa em seu papel na sociedade em que vivemos. Parabéns a elas.

Ao contrário do que diz e age a insensatez de alguns brasileiros inconformados com nossas peculiaridades, é em nome do peculiar que devemos nos comportar. Em nome sobretudo do respeito ao direito do outro ser diferente de nós e, afinal de contas, sermos todos iguais perante nós mesmos. É em benefício disso, desse sonho ideal, que devemos votar em outubro e sempre.

Leia todas as colunas… O Globo, um jornal nacional:   Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com