Novas incertezas aqui ao lado, no Grande Sahel » EntornoInteligente

Novas incertezas aqui ao lado, no Grande Sahel

novas_incertezas_aqui_ao_lado_2C_no_grande_sahel.png

Entornointeligente.com / Em 1990, o chefe rebelde chadiano Idriss Déby regressou ao país, vindo do Sudão. Dirigia uma coluna de homens armados, composta sobretudo por combatentes originários da sua região natal. Dias depois conquistou o poder em Ndjamena, com o beneplácito de François Mitterrand. O presidente francês sabia de geopolítica. Via o Chade como o nó essencial para os interesses, a influência e a segurança da França e dos seus Estados clientes naquela parte de África. Por isso, era fundamental que fosse controlado por um homem forte, consistente e amigo da França. Déby tinha esse perfil. E os sucessivos presidentes franceses habituaram-se a fechar os olhos às violações sistemáticas dos direitos humanos, à corrupção em alta escala e à tribalização do poder, para não enfraquecer o seu aliado em Ndjamena.

O apoio tornou-se ainda mais sólido quando Déby decidiu que as suas tropas seriam, do lado africano, o braço forte no combate aos diferentes grupos jihadistas que aterrorizam as populações do Sahel. Os seus militares passaram a ser, de longe, os mais bem preparados da região. Mesmo contra o Boko Haram, a capacidade do Chade é bem superior à da Nigéria. A missão da ONU no Mali (MINUSMA) tem uma considerável presença chadiana – 1400 militares, com uma postura mais ofensiva do que a maioria dos restantes capacetes azuis. Além disso, Déby acabara de enviar uma brigada adicional de 1200 homens, no quadro da cooperação militar regional conhecida como G5 Sahel, para a zona das três fronteiras especialmente visada pelos terroristas – o triângulo onde o Mali, o Níger e o Burkina Faso convergem.

As instituições militares dos países da região são estruturalmente fracas e mantidas assim pelos políticos, que têm mais medo de possíveis golpes de Estado do que dos terroristas. De todos os vizinhos, só Déby, formado como oficial em França e endurecido nas campanhas do deserto, era um verdadeiro chefe de guerra. A sua combatividade era lendária. Em 2008, uma fação rebelde chegou às portas do seu palácio. Nicolas Sarkozy propôs-lhe a exfiltração para um exílio dourado. Déby e outros fiéis, alguns deles hoje membros do Conselho Militar de Transição, recusaram, preferiram bater-se até ao fim.

E acabaram por derrotar os assaltantes. Pouco depois, enquanto representante especial da ONU, discuti essa crise com Déby. Recordo três pontos desse encontro. Primeiro, o reconhecimento que as suas tropas não estavam nem organizadas nem equipadas de modo eficaz. Segundo, a decisão de passar a gastar uma boa fatia dos dinheiros do petróleo na transformação dos seus combatentes em militares profissionais. Terceiro, a decisão de procurar um entendimento com o Sudão de Omar al-Bashir, como já o havia feito com a Líbia de Kadhafi, para que territórios vizinhos não fossem utilizados como bases de lançamento de rebeliões. E assim foi. Em finais de 2009, já era nítida a diferença. Desde então, essas capacidades foram sendo consolidadas. A França, os Estados Unidos e outros ocidentais passaram a ver o Chade como a ponta-de-lança contra o terrorismo e o extremismo religioso. As críticas à ditadura e ao nepotismo foram postas no congelador.

Mas nessas terras de instabilidade, a vida dá muitas voltas. Déby fechou o seu ciclo nesta semana, de modo quiçá parecido com o que protagonizara há 30 anos. Só que desta vez a coluna de rebeldes era da tribo ao lado, veio da Líbia e o presidente tombou na linha da frente.

O Chade, a África Central, o Sahel, a França e os europeus presentes na região ficaram mais frágeis.

São várias as questões que se levantam com o desaparecimento de Idriss Déby. O que motivou o presidente Macron a deixá-lo sem o apoio habitual, quando em 2019 havia enviado caças para travar uma rebelião semelhante? Erro de cálculo? Quem está por detrás desta nova rebelião, conhecida como FACT (Frente para a Mudança e a Concórdia no Chade)? Que impacto terá a nova realidade no conflito na República Centro-Africana? Que esperar do G5 Sahel e da luta contra o terrorismo nesta parte de África? Cada uma destas interrogações esconde muitas incertezas e preocupações. O futuro da pobre população do Chade é delas a maior.

Conselheiro em segurança internacional. Ex-secretário-geral-adjunto da ONU

LINK ORIGINAL: Diario Noticias

Entornointeligente.com

URGENTE: Conoce aquí los Juguetes más vendidos de Amazon www.smart-reputation.com

Smart Reputation

Noticias de Boxeo

Boxeo Plus
Boxeo Plus
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation

Adscoins

Smart Reputation

Smart Reputation