Nigeriano quer fazer um «assalto digital» para reivindicar artefactos africanos

nigeriano_quer_fazer_um_assalto_digital_para_reivindicar_artefactos_africanos.jpg
Entornointeligente.com /

Um nigeriano lançou um projecto chamado Looty para reivindicar artefactos africanos roubados por colonizadores europeus. A empresa cria imagens 3D do artigo, vende-as como non-fungible tokens (NFT) e usa os lucros para financiar jovens artistas africanos.

Os pedidos para que os objectos roubados durante o período colonial sejam devolvidos aos seus locais de origem têm vindo a intensificar-se nos últimos anos e instituições ocidentais já enviaram itens de volta para países como Nigéria e Benim.

Chidi Nwaubani, o fundador da Looty, descreve o projecto como uma forma alternativa de repatriação, através da qual tecnologias digitais são usadas para recuperar o controlo e a propriedade sobre artefactos ainda mantidos fora de África. «Imagina um mundo onde estes objectos nunca foram saqueados», Nwaubani disse em entrevista à Reuters. «Nós só estamos a tentar re-imaginar esse mundo digitalmente.»

Fotogaleria O processo começa com aquilo que Nwaubani chama «assalto digital de arte», um procedimento totalmente legal no qual um membro da Looty vai a um museu e digitaliza um objecto com uma tecnologia que pode ser usada para criar imagens 3D.

Um NFT da imagem é criado e colocado à venda no site da Looty, que também funciona como uma galeria online onde qualquer um pode ver as imagens gratuitamente. Segundo Nwaubani, 20% dos lucros são doados a jovens artistas africanos, até aos 25 anos.

Os NFT são um tipo de activo digital que permite que qualquer pessoa verifique quem os detém.

O site foi inaugurado a 13 de Maio e, embora não tenha tido nenhuma venda imediata, Nwaubani recebeu mensagens de interessados de todo o mundo.

Much more than just JPGs. For @LootyNFT they have become a new vehicle for the reparations and repatriation of spoken African art https://t.co/mYQQ4Uhl9d pic.twitter.com/2g1rt0nhAL

— Looty (@LootyNFT) May 14, 2022 Os primeiros NFT da Looty são baseados numa imagem de um dos Bronzes do Benim , que foram saqueados pelas tropas britânicas, em 1897, no que hoje é a Nigéria, e estão em exposição no Museu Britânico, em Londres.

«Saber que é nigeriano mas vive fora da Nigéria sempre me incomodou. Então, senti que havia algo que podíamos fazer para mudar isso», disse Nwaubani.

O próximo projecto da Looty é focado num objecto do Antigo Egipto, revelou Nwaubani, recusando-se a dar mais informações.

O nome Looty refere-se ao acto de saquear ( loot , em inglês) e é também uma homenagem divertida a Looty , um cão encontrado por um capitão britânico no Palácio de Verão (que também foi saqueado) perto de Pequim, em 1860, e levado para Londres para ser oferecido à Rainha Vitória.

LINK ORIGINAL: Publico

Entornointeligente.com