Ministério Público pede nove anos de prisão para alegados membros da Resistência Galega - EntornoInteligente

Entornointeligente.com / jornal da madeira / A Audiência Nacional espanhola inicia na terça-feira o julgamento dos alegados membros da Resistência Galega Carlos Calvo e Xurxi Rodríguez, para quem o Ministério Público pede nove anos de prisão por integrarem a organização terrorista e posse de explosivos. A acusação sustenta que os membros integram uma célula armada do grupo, depois de o Supremo Tribunal espanhol ter considerado, a 24 de abril, que a Resistência Galega é uma organização terrorista ainda que em fase incipiente. O Ministério Público relata que os dois foram surpreendidos, a 15 de setembro de 2012, enquanto transferiam uma mochila com explosivos para um veículo, que era de Xurxo, no parque Castrelos de Vigo. De acordo com a acusação, os explosivos destinavam-se a futuras ações da Resistência Galega. Em janeiro, fontes da luta antiterrorista espanhola explicaram que a Resistência Galega tem ativos 15 membros operacionais em vários pontos da Galiza e os seus dois líderes instalados em Portugal, onde terão fabricado muitos dos engenhos explosivos usados nas últimas ações do grupo. Os dois principais líderes da Resistência Galega, Antón García Matos e María Asunción Losada Camba estarão a viver no norte de Portugal, segundo as mesmas fontes. Em novembro de 2013, os serviços de informação da Polícia Nacional espanhola detetaram a compra em Portugal de pelo menos seis armas pelos principais líderes da Resistência Galega, segundo notícias da imprensa regional galega. Entre 2005 e 2013 as autoridades espanholas detiveram 18 membros do movimento, mas destacaram a capacidade de regeneração da estrutura, que conta com suficiente apoio social em algumas zonas. Referem em especial o apoio do autodenominado "Movimento de Libertação Nacional Galego" (MNLG) e da Assembleia da Mocidade Independentista (AMI), criada pelo próprio García Matos. A Resistência Galega é um movimento armado, que luta pela independência da Galiza, e que foi criado em 2005, ano da sua primeira ação, quando colocou um engenho explosivo na casa de Francisco Vázquez Pereira, ex-dirigente da AMI acusado de ser delator da polícia. Desde aí, realizou 34 ações incendiárias ou com engenhos explosivos. Especialistas destacam que o grupo não procura causar vítimas mortais, mas sim provocar estragos materiais com fins propagandísticos.

Con Información de jornal da madeira

Entornointeligente.com

Add comment

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Follow Me

.