Louvre inaugura nesta quinta-feira a maior exposição já realizada sobre Leonardo Da Vinci - EntornoInteligente
Entornointeligente.com /

PARIS –  Um artista colossal como o italiano Leonardo da Vinci (1452-1519) merecia, nos 500 anos da sua morte, uma homenagem à altura de sua genialidade. Pode-se dizer que o Museu do Louvre não moderou esforços para isso. A instituição celebra a data reunindo um número inédito de obras de de sua autoria num mesmo espaço para exibição ao público. “Leonardo da Vinci”, mostra que inaugura nesta quinta-feira, e que promete se inscrever como um dos maiores eventos da história do museu parisiense, expõe mais de 160 trabalhos do mestre renascentista, entre pinturas, desenhos, esculturas e manuscritos.

Leonardo Da Vinci A “Mona Lisa”, no formato de reflectografia de infravermelho, que permite ver o primeiro desenho de Da Vinci na tela, e as alterações feitas depois. 'São informações extraordinárias', diz um dos curadores da exposição no Louvre, Vincent Delieuvi. 'É como se estivéssemos atrás dele no ateliê, diante de seu cavalete, vendo como pintura foi realizada' Foto: BENOIT TESSIER / REUTERS 'Cabeça de mulher', ou 'La Scapigliata' (A descabelada). Pintura em óleo sobre madeira, realizada com vários pigmentos obtidos a partir de malaquita, ferro, minério de mercúrio. A obra, uma das mais de 160 na exposição que abre nesta quinta-feira no Louvre, foi emprestada pela Galeria Nacional de Parma, na Itália Foto: Divulgação/Galeria Nacional de Parma / Galeria Nacional de Parma Vista da exposição. Em primeiro plano, a escultura 'A incredulidade de São Tomás' (1467-1483), de Andrea del Verrocchio (Florença, cerca de 1435- Veneza, 1488), contemporâneo de Leonardo da Vinci. A obra pertence ao Museu Nacional de Bargello, na Itália Foto: Divulgação/Louis Frank / Divulgação Estudo de figura para 'A batalha de Anghiari', afresco monumental que Da Vinci pintou por volta de 1504 no Palazzo Vecchio, em Veneza, desaparecido décadas depois. O desenho pertence ao Museu de Belas Artes de Budapeste Foto: Divulgação/ Jozsa Denes / Jozsa Denes Desenho de Leonardo da Vinci num dos cadernos utilizados pelo mestre renascentista Foto: BENOIT TESSIER / REUTERS Pular PUBLICIDADE Santa Ana, a Virgem, o Menino Jesus e São João Batista, obra do ano 1500. Da National Gallery de Londres Foto: Divulgação/The National Gallery / The National Gallery 'São João Batista', uma das cinco telas de Da Vinci que integram o acervo do Louvre. O museu da capital francesa tem o maior conjunto de pinturas do artista reunido numa uma única instituição. Foto: BENOIT TESSIER / REUTERS Estudos para a cabeça de Leda, feitos aproximadamente em 1505-1506, para a tela "Leda e o cisne", tambpém na exposição. O desenho faz parte da Coleção Real do Castelo de Windsor, e foi cedido pela rainha Elizabeth II. Foto: Divulgação/THE ROYAL COLLECTION / THE ROYAL COLLECTION The painting "La belle Ferronniere" by Leonardo da Vinci is pictured during a press visit of the "Leonardo da Vinci" exhibition to commemorate the 500-year anniversary of his death at the Louvre Museum in Paris, France October 20, 2019. REUTERS/Benoit Tessier TPX IMAGES OF THE DAY Foto: BENOIT TESSIER / REUTERS SC – Exposição Leonardo Da Vinci no Louvre SAN GIROLAMO. INV. 40337 Foto: Divulgação/ A.BRACCHETTI/Museu Vaticano / A.BRACCHETTI/Museu Vaticano Pular PUBLICIDADE SC – Exposição de Leonardo Da Vinci no Louvre Léonard de Vinci, Étude pour la Sainte Anne : le manteau de la Vierge, vers 1507-1510. Pierre noire, lavis gris et rehauts de blanc. H. 23 ; L. 24,5 cm. Paris, musée du Louvre, département des Arts graphiques, INV. 2257 © RMN-Grand Palais (musée du Louvre) / Michel Urtado. Draperie enveloppant les jambes d'une figure assise Vinci Léonard de (1452-1519). Paris, musée du Louvre, D.A.G.. INV2257-recto. Foto: Divulgação/ Michel Urtado / RMN-GP / Michel Urtado / RMN-GP A exposição inova também ao revelar o desenvolvimento do método criativo de Da Vinci por meio da exibição de reflectografias de infravermelho de telas do pintor, resultado de análises científicas feitas ao longo dos últimos anos. Ao final do percurso, o visitante poderá viver ainda uma experiência de realidade virtual com a “Mona Lisa”, um dos mais icônicos quadros do planeta.

Especial por quê?: Seis curiosidades sobre a mostra de Da Vinci no Louvre

'A última ceia', de Da Vinci; tela do acervo do Convento Santa Maria delle Grazie, em Milão, foi emprestada para a mostra Foto: Benoit Tessier / REUTERS No Brasil: Em seus 500 anos de morte, Da Vinci é é celebrado em mostras no Rio e em São Paulo

Para preparar o acontecimento, os curadores Vincent Delieuvin e Louis Frank mergulharam durante dez anos no universo de Leonardo da Vinci, período em que também acumularam viagens pelo mundo. Os pedidos de empréstimos de obras começaram a ser expedidos a museus e colecionadores há quatro anos, em uma saga repleta de reviravoltas e de imbróglios diplomáticos e judiciais, provocando suspenses até o último minuto. O Museu Hermitage, da cidade russa de São Petersburgo, só confirmou a liberação da tela “Madonna Benois” há pouco mais de dez dias. Após uma disputa entre os governos francês e italiano, o desenho “Homem vitruviano” – célebre estudo das proporções do corpo humano – , cujo empréstimo fora bloqueado por um tribunal de Veneza, foi finalmente autorizado na semana passada a incorporar a mostra parisiense. E mesmo que as chances sejam ínfimas, o Louvre ainda mantém um fio de esperança em poder contar com “Salvator Mundi”, a obra de arte mais cara do mundo , vendida por US$ 450 milhões em um leilão da Christie’s, em 2017, a um comprador anônimo (provavelmente um representante do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman).

PUBLICIDADE PERMUTA: Itália vai emprestar obras de Da Vinci para a França em troca de pinturas de Rafael

DIAGNÓSTICO: Leonardo da Vinci tinha déficit de atenção, defende pesquisador

De um total de 15 a 18 pinturas que são atribuídas a Da Vinci, o acervo do Louvre conta com cinco – a maior coleção do mundo – e mais 22 desenhos, e a isso o museu conseguiu somar um número expressivo de obras. Delieuvin lamenta a ausência de criações como “Ginevra de Benci”, da National Gallery of Art de Washington, “Dama com arminho”, do Museu Nacional da Cracóvia, e “A anunciação”, da Galleria degli Uffizi de Florença. Mas essas lacunas não ofuscam, segundo ele, o brilho e o ineditismo da exposição parisiense.

– A rainha da Inglaterra foi de extrema generosidade, pudemos escolher os desenhos que queríamos e obter o máximo permitido, em número de 24. O Vaticano de imediato nos deu o sim para o empréstimo de “São Jerônimo”. Também conseguimos o “Codex Leicester”, da Fundação Bill Gates. A exposição é excepcional porque é a primeira vez que se reúne um número tão grande de obras e desenhos importantes e que se pode explicar o conjunto da vida de Da Vinci, a evolução de sua arte e sua exigência pela pintura. As demais mostras se concentravam em um aspecto ou período de sua trajetória – disse Delieuvin ao GLOBO na última sexta-feira, durante uma das visitas organizadas para a imprensa, que tiveram a inscrição de cerca de 500 jornalistas do mundo inteiro.

PUBLICIDADE 'Cabeça de mulher' ou 'La Scapigliata'. A pintura em óleo sobre madeira foi realizada entre 1501-1510, aproximadamente, e faz parte do acervo da Galeria Nacional de Parma, na Itália Foto: Divulgação/Galeria Nacional de Parma  

Para o curador, a presença de um grande número de obras de todas as fases do artista cria na exposição a sensação de “se estar penetrando em seu ateliê”. A ideia foi também quebrar com a tradicional abordagem das transformações artísticas de Leonardo Da Vinci em seis períodos cronológicos e geográficos, vinculados as suas viagens entre Florença, Milão, Roma e a França,. A mostra do Louvre está dividida em seções como “Sombra, luz, relevo”, “Liberdade”, “Ciência”, “Vida”, além de “Leonardo em Milão”, “O retorno à Florença” e “A partida para a França”.

– Por muito tempo se ficou preso a este tipo de leitura da vida de Leonardo a partir de seus deslocamentos geográficos. Mas nos demos conta de que as rupturas artísticas em sua vida estão em outro lugar, em outro momento. No final dos anos 1470, ele rompe com o imperativo da forma perfeita. No fim dos anos 1480, sente a necessidade de compreender o movimento do mundo. Isso o leva, na sequência, a dar uma base científica a sua arte, com os estudos de óptica, geometria, matemática, botânica ou anatomia. E se encerra com a realização de “A última ceia”, na metade dos anos 1490. Ao se analisar por suas viagens, há uma tendência a separar obras que possuem uma grande ligação artística e técnica e que pertencem ao mesmo período de desenvolvimento – sustenta.

PUBLICIDADE Visitante verá primeiro desenho na tela da ‘Mona Lisa’ Uma das novidades da exposição é a apresentação de importantes telas do artista, entre elas a “Mona Lisa”, no formato de reflectografia de infravermelho, em escala real, o que acabou se revelando também como uma forma de suprir a falta de certas obras. Graças à investigação científica por meio de estudos realizados nos últimos anos em laboratórios da França, Itália ou Inglaterra, foi possível obter novos elementos para o entendimento da gênese das pinturas de Da Vinci.

A 'Mona Lisa' no formato de reflectografia de infravermelho, que permite ver o primeiro desenho de Da Vinci na tela e alterações feitas depois pelo artista Foto: Benoit Tessier / REUTERS – Em 2015, surgiu uma nova técnica, a cartografia de pigmentos, utilizada este ano no estudo da “Gioconda”. Já o infravermelho revela o primeiro desenho de Da Vinci na tela, todas as alterações feitas depois e também parte do começo do trabalho pictural. São informações extraordinárias. É como se estivéssemos atrás dele no ateliê, diante de seu cavalete, vendo como pintou ao longo do tempo. Ele levava cinco, dez ou 15 anos para pintar uma quadro, e fazia constantes modificações. É possível notar o aperfeiçoamento de sua técnica pictural. As primeiras reflectografias são bem diferentes das últimas, em que a matéria pictural é bem mais delicada, em obras nas quais a transição de sombra e luz é muito mais sutil – explica Delieuvin.

Vítima de seu sucesso, a “Mona Lisa” não deixará seu nobre espaço na Sala dos Estados, recentemente renovado, para se integrar à exposição. O visitante poderá admirá-la em seu local habitual, mas terá também a opção, ao final do percurso da exposição, de passar, de forma individual, por uma experiência de realidade virtual, a primeira realizada no Louvre: “Em tête-à-tête com a Gioconda”, de duração de sete minutos.

PUBLICIDADE Mais de 180 mil ingressos já foram vendidos – em compra obrigatória pelo site do museu – para a mostra, que se encerrará em 24 de fevereiro de 2020. Delieuvin não escondia sua emoção às vésperas da inauguração, após dez anos de trabalho e três semanas acompanhando o desencaixotamento das obras e sua fixação nas paredes:

– Conhecia todas essas obras dispersas, e vê-las reunidas é quase como dar vida novamente ao ateliê de Leonardo. Por trás do mito e da “Mona Lisa”, há obras de arte com uma força e uma emoção impressionantes. Ele pintou muito pouco, deixou muitos quadros inacabados, não publicou nada, teve projetos extraordinários, e as pessoas ficaram fascinadas. Esta exposição é uma ocasião de ver o que fez de mais belo em sua vida, mas, sobretudo, de compreender o percurso excepcional deste inigualável gênio da pintura. Creio que ninguém sairá incólume desta visita – aposta.

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

Nota de Prensa VIP

Smart Reputation