Kremlin acusa Ucrânia de «total ausência de vontade» para negociar

kremlin_acusa_ucrania_de_total_ausencia_de_vontade_para_negociar.jpg
Entornointeligente.com /

O Kremlin acusou esta quarta-feira a Ucrânia de «total ausência de vontade» para negociar com a Rússia e para pôr termo ao conflito que decorre em solo ucraniano desde o início da ofensiva russa em 24 de fevereiro.

Relacionados guerra na ucrânia.  Rússia expulsa 34 diplomatas franceses e França condena «veementemente»

guerra na ucrânia.  Rússia anuncia rendição de 959 soldados ucranianos na fábrica de Azostal

«As negociações não avançam e verificamos uma total ausência de vontade dos negociadores ucranianos de prosseguirem este processo» , declarou aos ‘media’ o porta-voz da Presidência russa (Kremlin), Dmitri Peskov, um dia depois da Presidência ucraniana ter referido que as conversações estavam suspensas devido a Moscovo.

» O processo de negociações está em pausa» , declarou, na terça-feira, Mykhailo Podoliak, um conselheiro do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever «A Rússia não reconheceu um elemento-chave: a compreensão do que (…) se passa atualmente no mundo e o seu papel extremamente negativo» , afirmou o conselheiro ucraniano na mesma ocasião.

Já decorreram diversos encontros entre negociadores das duas partes, mas sem qualquer resultado positivo.

A última reunião entre os chefes das delegações, Vladimir Medinski, do lado russo, e David Arakhamia, do lado ucraniano, remonta a 22 de abril, segundo as agências russas.

O Kremlin também assegurou esta quarta-feira não possuir qualquer informação sobre o caso do soldado russo julgado a partir desta quarta-feira hoje por crime de guerra na Ucrânia, acusando Kiev de fabricar acusações deste género e dirigidas à Rússia.

«Até ao momento, não temos qualquer informação. E as possibilidades de ajudar [o detido] são muito limitadas devido à ausência de representação diplomática» , disse Dmitri Peskov, ao considerar que as numerosas acusações de crimes de guerra dirigidas ao exército russo «são falsas ou são encenações».

O soldado russo Vadim Chichimarine, de 21 anos, comparece esta quarta-feira a partir das 14:00 locais (12:00 em Lisboa) perante um tribunal em Kiev, onde deverá pronunciar-se sobre a morte de um homem de 62 anos, em 28 de fevereiro, no nordeste da Ucrânia.

Indiciado por crimes de guerra e morte com premeditação, o militar natural de Irkutsk, na Sibéria, arrisca uma pena de prisão perpétua.

A guerra na Ucrânia entrou hoje no 84.º dia, sem que haja informações independentes sobre o número de baixas.

Diversas fontes, incluindo a ONU, admitem que as baixas sejam elevadas, tanto civis como militares.

Segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

LINK ORIGINAL: Diario Noticias

Entornointeligente.com