Investigação ao desastre de avião da China Eastern aponta para queda propositada

investigacao_ao_desastre_de_aviao_da_china_eastern_aponta_para_queda_propositada.jpg
Entornointeligente.com /

Os peritos que estão a investigar a queda de um avião da China Eastern Airlines estão a considerar se esta se deveu a uma acção intencional no cockpit , depois de não terem sido encontradas provas de uma avaria técnica, revelaram duas fontes com conhecimento da investigação à Reuters.

O The Wall Street Journal avançou na terça-feira que os dados de voo de uma das caixas negras do Boeing 737-800 indicam que alguém no cockpit despenhou intencionalmente o avião, citando pessoas familiarizadas com a avaliação preliminar dos investigadores norte-americanos.

A Boeing Co, fabricante do avião, e o National Transportation Safety Board ( NTSB ) dos Estados Unidos recusaram-se a comentar e enviaram perguntas aos reguladores chineses.

A Administração da Aviação Civil da China (CAAC), que está a liderar a investigação, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O Boeing 737-800, em rota de Kunming para Guangzhou, despenhou-se a 21 de Março nas montanhas na região de Guangxi, após um súbito mergulho quando se encontrava em altitude de cruzeiro, matando todos os 123 passageiros e nove membros da tripulação a bordo.

Foi o desastre aéreo mais mortal da China continental em 28 anos.

Os pilotos não responderam às repetidas chamadas dos controladores de tráfego aéreo nem aos aviões próximos durante a descida rápida, disseram as autoridades. Uma fonte da equipa dos investigadores disse à Reuters que estavam a analisar se o acidente tinha resultado de um acto «voluntário».

Imagens da reportagem do Wall Street Journal parecem ter sido censuradas tanto na rede social chinesa Weibo como na aplicação de mensagens Wechat, na quarta-feira. As hashtags «China Eastern» e » China Eastern caixas negras» são proibidos na Weibo, que citou uma violação das lei, e os utilizadores não podem partilhar mensagens sobre o incidente em chats de grupo em Wechat.

A CAAC afirmou a 11 de Abril, em resposta a rumores na internet sobre uma queda propositada, que a especulação tinha «enganado gravemente o público» e «interferido com o trabalho de investigação do acidente».

Uma mulher que pediu para ser identificada apenas pelo seu apelido, Wen, que perdeu o marido no acidente, disse à Reuters na quarta-feira que não tinha visto a notícia do Wall Street Journal , mas que esperava que os resultados da investigação fossem divulgados em breve.

Wen revelou que ela e familiares das outras vítimas assinaram um acordo com a China Eastern Airlines que inclui um ponto sobre indemnizações, mas recusou-se a dizer quanto tinha sido oferecido.

A China Eastern não respondeu a um pedido de comentário. Segundo o The Wall Street Journal , a companhia aérea afirmou que não tinham surgido provas que pudessem determinar se existiam problemas com a aeronave.

Foto Em Março, os membros da equipa de resgate fizeram um minuto de silêncio em memória das vítimas Reuters Sem recomendações técnicas O 737-800 é um predecessor muito utilizado do 737 MAX da Boeing, mas não tem os sistemas que foram ligados às colisões fatais do 737-MAX em 2018 e 2019, o que levou a uma longa proibição de voar do MAX.

A China Oriental imobilizou toda a sua frota de aviões 737-800 após o acidente, mas retomou os voos em meados de Abril, uma decisão que, na altura, foi amplamente vista como excluindo quaisquer novas preocupações imediatas de segurança sobre o modelo mais utilizado da Boeing.

Num resumo de um relatório preliminar do acidente não publicado, no mês passado, os investigadores chineses não apontaram quaisquer recomendações técnicas para o 737-800, que está em serviço desde 1997 com um registo recorde de segurança, de acordo com os peritos.

A presidente do NTSB, Jennifer Homendy, disse numa entrevista à Reuters no dia 10 de Maio que os seus investigadores e os da Boeing tinham viajado para a China para ajudar na investigação chinesa. Ela salientou que a investigação não tinha encontrado quaisquer questões de segurança que exigissem qualquer acção urgente.

Homendy disse que se o NTSB tivesse quaisquer preocupações de segurança, «emitiria recomendações urgentes».

O NTSB ajudou os investigadores chineses com a análise das caixas negras, no seu laboratório em Washington, a pedido da China, apesar das tensões políticas entre os países.

A CAAC disse que o NTSB confirmou que não divulgou informações sobre a queda da China Eastern aos meios de comunicação social, noticiou o jornal estatal Global Times .

Raltório final pode demorar dois anos Um relatório final sobre as causas do acidente pode levar dois anos ou mais, avisaram já as autoridades chinesas. Os analistas dizem que a maioria dos desastres é causada por um cocktail de factores humanos e técnicos.

As quedas deliberadas são excepcionalmente raras a nível mundial. Os especialistas salientam que esta última hipótese deixa em aberto se a acção teve origem num piloto ou resultou de uma luta ou intrusão, mas as fontes salientam que nada foi confirmado.

O gravador de voz do cockpit foi danificado durante o acidente e não é claro se os investigadores conseguiram obter qualquer informação.

Em Março de 2015, um co-piloto da Germanwings pilotou deliberadamente um Airbus A320 contra uma montanha nos Alpes francesas, matando todos os 150 a bordo.

Os investigadores franceses descobriram que o jovem de 27 anos de idade sofreria um «episódio psicótico depressivo», escondido do seu empregador. Mais tarde, apelaram a melhores orientações em matéria de saúde mental e a grupos de apoio mais fortes para os pilotos.

LINK ORIGINAL: Publico

Entornointeligente.com