Governo de Hong Kong anuncia adiamento de eleições legislativas, em revés para movimento pró-democracia - EntornoInteligente
Entornointeligente.com /

HONG KONG — O governo de Hong Kong anunciou nesta sexta-feira que adiará as eleições legislativas da cidade, originalmente previstas para setembro, em um ano. A decisão é mais um revés para o campo pró-democracia, que vê a medida como uma tentativa de evitar a derrota de candidatos pró-Pequim nas urnas, em meio ao acirramento do controle chinês sobre seu território semiautônomo.

— Adiar é uma decisão muito dura, mas eu quero garantir justiça, segurança pública e sanitária — disse Carrie Lam, chefe do Executivo da cidade, em um pronunciamento público.

A confirmação do adiamento já era tida como uma questão de tempo desde ontem, quando 12 candidatos da oposição tiveram suas candidaturas vetadas, incluindo quatro deputados atuais e o popular ativista Joshua Wong, face mais conhecida do Movimento dos Guarda-Chuvas. Wong caracterizou a medida como a “fraude eleitoral mais escandalosa da História de Hong Kong” e uma represália pelas críticas à nova lei de segurança nacional.

Impedimentos similares já haviam sido ocorrido anteriormente, mas nunca nesta escala. O veto seguido de adiamento atrapalha os planos dos opositores, que esperavam conseguir ao menos 35 cadeiras e realizar o sonho de obter a maioria de assentos no Conselho Legislativo (LegCo), o que nunca aconteceu desde que a ex-colônia britânica começou a realizar eleições legislativas, em 1991.

As desavenças entre o movimento pró-democracia e as autoridades locais se intensificaram em junho do ano passado, quando manifestantes tomaram as ruas em protesto contra o governo local. As manifestações, que só perderam força com o agravamento da pandemia de Covid-19, rapidamente ganharam tons contrários à soberania chinesa, que afirmavam por em xeque a autonomia política, administrativa e judicial garantida quando a cidade foi devolvida à China pelos britânicos, em 1997.

PUBLICIDADE A gota d’água veio em maio, quando o governo chinês anunciou uma draconiana lei de segurança nacional para o território, deixando críticos ao governo e ativistas pró-democracia passíveis de condenações por crimes de sedição e terrorismo, por exemplo, e sujeitos a penas de prisão perpétua. A medida, que nunca foi discutida com o governo de Hong Kong, foi aprovada em tempo recorde e implementada em junho.

Para postergar as eleições, Lam, eleita por uma comissão de 1.200 pessoas majoritariamente favoráveis à China, apontou para a pandemia de Covid-19. Nas últimas 24 horas, 121 novos casos foram registrados na cidade, que enfrenta sua terceira onda da doença. A oposição, no entanto, acusa o governo de usar as medidas de distanciamento como uma ferramenta política.

Ao New York Times, o professor de ciências políticas da Universidade Chinesa em Hong Kong disse que a explicação também pode não ser suficiente para convencer o público como um todo:

— Eu acho que será visto como um tipo de manipulação, que o governo está com medo de perder a maioria e que é por isso que adiaram o pleito — afirmou.

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

Ir a Smart Reputation

Publicidad en Entorno

Adscoins

Smart Reputation