FC Porto não perdoou a displicência do Marítimo

fc_porto_nao_perdoou_a_displicencia_do_maritimo.jpg
Entornointeligente.com /

Durante a primeira dúzia de minutos, o jogo foi do Marítimo e, durante a primeira dúzia de minutos, o início da defesa do título foi problemático para o FC Porto. Porém, a primeira (de muitas) displicência madeirense não teve perdão por parte dos «dragões» e, a partir daí, o filme do jogo foi outro. Perante um Marítimo que se ficou pelas boas intenções, o FC Porto entrou na I Liga 2022/23 com uma exibição segura e uma goleada, por 5-1, num jogo onde Taremi (12’ e 42’), Evanilson (40’), Marcano (68’) e Toni Martinez (77’) fizeram os golos – Winck reduziu perto do final.

Uma semana depois de conquistar a Supertaça sem qualquer tipo de sobressaltos, Sérgio Conceição voltou a não contar com Otávio (cumpriu castigo) e, sem surpresa, manteve quase tudo na mesma. Em relação à primeira partida em Aveiro contra o Tondela, a única novidade foi o regresso de Diogo Costa à baliza. Com Marcano a manter o lugar ao lado de Pepe (David Carmo estava castigado) e Grujic a confirmar-se como o par de preferência para Uribe, a exibição positiva de Danny Loader na Supertaça foi premiada com nova titularidade.

Com uma pré-temporada positiva (nenhuma derrota em oito jogos), o Marítimo apresentou-se no Dragão com os mais recentes reforços (Moreno e Ramírez) no banco e, mostrando audácia q.b., a equipa de Vasco Seabra entrou em campo sem amarras defensivas, procurando fazer um futebol positivo.

Apostando preferencialmente atacar pelo lado de Zaidu, o Marítimo conseguiu nos primeiros minutos retirar a bola ao FC Porto e, com um futebol de posse, precisou de pouco mais de 120 segundos para assustar: Xadas utilizou o principal trunfo (pé esquerdo) ficar perto do golo – a bola raspou na barra.

Denotando dificuldades, o FC Porto demorava a assumir o comando e, aos 9’, um mau atraso de Marcano colocou Joel em posição privilegiada para marcar, mas Diogo Costa evitou o golo do avançado dos Camarões.

Positivo/Negativo Positivo Taremi Dois jogos oficiais, quatro golos. Após bisar na Supertaça, Taremi voltou a ser decisivo.

Positivo Uribe Já não há Vitinha, mas o talento de Uribe garante qualidade ao meio-campo portista.

Positivo Diogo Costa Com duas grandes defesas na primeira parte, ofereceu a tranquilidade que a equipa precisava.

Negativo Marítimo A audácia custou caro a Vasco Seabra. O “futebol positivo” dos madeirenses resultou numa catadupa de erros que foram penalizados com uma goleada.

O segundo susto provocou os primeiros assobios no Dragão, porém, quase de seguida, o jogo mudou. Demérito do Marítimo. Evidenciando um atrevimento que se provou ser excessivo, a equipa do Funchal procurou sempre sair da jogar desde a sua área e, aos 12’, a primeira benesse não teve perdão: Winck perdeu o controlo da bola, Zaidu recuperou e colocou em Evanilson, que ofereceu a Taremi o 1-0.

Uma dezena de minutos depois, dois maus alívios de Xadas permitiram que Evanilson batesse Miguel Silva, mas, após indicação do VAR, o golo foi anulado por fora de jogo.

O FC Porto estava melhor e, aparentemente, tinha o jogo controlado, mas, com tudo ainda indefinido, Diogo Costa voltou a salvar os «dragões»: em cima da meia hora, Joel ganhou de cabeça aos centrais portistas, mas, mais uma vez, a qualidade de Diogo Costa faz a diferença.

Esse lance foi, no entanto, a excepção que confirmou a superioridade «azul e branca» e, aos 40’, o golo contou mesmo para Evanilson: após um passe sublime de Uribe, João Mário ofereceu ao brasileiro o golo. Com muitos adeptos portistas ainda a festejarem o 2-0, mais uma imprudência madeirense na construção resultou no bis de Taremi, após assistência de Loader.

Com a vitória no bolso do FC Porto e sem substituições ao intervalo, a segunda parte começou com mais uma perda de bola à saída da área madeirense – Evanilson ficou a centímetros de bisar – e, com o Marítimo longe do fulgor do arranque, a goleada surgiu com naturalidade: um minuto depois de Conceição lançar Galeno, Gonçalo Borges e Toni Martínez, Marcano fez de cabeça o 4-0.

Os números da goleada não estavam, porém fechados. Aos 77’, após mais uma assistência de João Mário, Martínez mostrou o instinto matador habitual e fez 5-0. A diferença era justa e reflectia a paupérrima prestação defensiva do Marítimo que, num lance confuso aos 88’, ainda reduziu por Winck.

LINK ORIGINAL: Publico

Entornointeligente.com