Da extrema-esquerda de 1976 já só resta o PCTP/MRPP - EntornoInteligente
Entornointeligente.com /

O PCTP/MRPP é o último partido da extrema-esquerda dos anos 1970 que sobrevive no boletim de voto, depois de o POUS ter desaparecido nas eleições legislativas de 2015 e nas europeias deste ano. Em 2014, para o Parlamento Europeu, foi o partido menos votado.

A 6 de outubro, o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), apresenta listas em todos os círculos eleitorais , com Maria Cidália Guerreiro em Lisboa e João Morais no Porto. Agora órfão do seu fundador Arnaldo Matos, que morreu em 22 de fevereiro , e sem aquele que foi o seu rosto nas últimas duas décadas até 2015, Garcia Pereira , o discurso é o de desconfiar das “eleições burguesas”.

Como “partido comunista”, o PCTP “nunca alimentou nem alimenta quaisquer ilusões nas eleições burguesas como forma de resolver os problemas essenciais do povo trabalhador português e, quando concorre, fá-lo para aproveitar este período para fazer propaganda do programa dos comunistas e com vista a reforçar a sua organização” , lê-se no jornal oficial do partido Luta Popular .

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Ao Pote de Água, em Lisboa, as montras da sede são o espelho do partido que se prepara para as eleições legislativas: livros de Lenine, como O Que É o Marxismo , ou o Manifesto do Partido Comunista , de Marx e Engels, e as Teses da Urgeiriça , que Arnaldo Matos escreveu em 2016, e cópias de textos do jornal que hoje é exclusivamente online .

Nos vidros há um poema de homenagem ao fundador e um tweet seu em que se lê: “A classe operária portuguesa deve organizar-se sob a teoria do marxismo, a ideologia do comunismo internacionalista, para conduzir a revolução portuguesa à vitória contra o capitalismo e o imperialismo.” Em frente, do outro lado da Avenida do Brasil, um mural pede o “FMI fora de Portugal”, com o desafio “Não pagamos! Por um governo democrático e patriótico”.

Ao toque da campainha, identificado o jornal e o jornalista, o dirigente do partido Carlos Paisana recusou-se a prestar declarações, no que foi acompanhado por Cidália Guerreiro. Na montra, num dos textos fotocopiados, queixam-se dos jornalistas que terão “ignorado” a sua presença no tribunal onde foi entregue a lista de Lisboa.

O partido conta desde 2009 com a subvenção pública para os partidos que, não elegendo deputados, consigam mais de 50 mil votos. Foram 14 800 euros mensais entre 2011 e 2015, e um pouco menos desde 2015 (14 300 euros). Este financiamento está em risco : depois da saída de Garcia Pereira, que se demitiu em 18 de novembro de 2015 , depois de críticas violentas de Arnaldo Matos à prestação eleitoral do PCTP, o partido viu a sua votação dar um trambolhão nas europeias de maio, com menos de metade dos votos de cinco anos antes: 27 222 (0,82%). Em 2014, o PCTP chegou a 54 622 votos (1,66%) para o Parlamento Europeu e, no ano seguinte, nas legislativas teve 59 955 votos (1,11%).

Nas europeias de 2014 participou o outro partido da extrema-esquerda que resistia desde os anos 1970: o POUS de Carmelinda Pereira e Aires Rodrigues, expulsos do PS em 1977, formaram este partido da 4.ª Internacional. Hoje, à porta da sede não há nada que identifique o partido. Só espreitando pelo vidro se vê POUS na caixa de correio. Resiste na net, publicando um blogue. Não foi possível qualquer contacto com o POUS: o telefone já não existe e ninguém respondeu ao e-mail enviado.

LINK ORIGINAL: Diario Noticias

Entornointeligente.com

Nota de Prensa VIP

Smart Reputation