BRASIL: Marina e Campos reafirmam que chapa só será definida em 2014 - EntornoInteligente

Entornointeligente.com / G1 Globo / O presidente do PSB , governador Eduardo Campos (PE), e a ex-senadora Marina Silva , recém-filiada ao partido, afirmaram nesta quinta-feira (10) que a definição oficial de quem disputará a Presidência e quem concorrerá como vice pela legenda nas próximas eleições só será tomada em 2014.

“A decisão que nós temos tomada com muita clareza é que nós estamos fazendo uma aliança que busca a identidade que o PSB e a Rede têm. É preciso começar a aliança não pelos nomes, mas pelo conteúdo”, afirmou Campos. “Nós temos clareza que esta é a hora de debater o conteúdo e em 2014 nós vamos tomar uma decisão sobre a chapa. Não haverá nenhum problema entre o PSB e a Rede nessa questão”, disse.

Marina se filiou ao PSB no último sábado (5), dois dias após a Justiça Eleitoral negar registro à Rede, partido que fundou e com o qual pretendia disputar a Presidência. No anúncio, ela já havia indicado que apoiaria o nome de Campos para o pleito, mas evitou dizer que seria vice.

“Não temos nem sete dias na construção dessa aliança. Precisamos dialogar nos estados, dialogar com nossa militância, mostrar o quanto é importante que essa aliança se consolide”, disse Campos. “Essa aliança causou um verdadeiro terremoto na política brasileira e vai trazer muita gente para esse conjunto.”

Campos também afirmou que não se sente desconfortável estando atrás de Marina nas pesquisas na corrida eleitoral pela Presidência. “Eu acho que nem eu nem Marina estamos buscando candidaturas, estamos buscando ajudar a política brasileira”, disse.

Anões

Marina também disse que “essa união de anões poderá nos trazer uma coisa nova”. “Mesmo na planície, não estamos no Olimpo, porque quando a gente é anão a gente tem uma vantagem, a gente não olha de cima para baixo, a gente olha debaixo para cima.”

Em entrevista à revista Época , o marqueteiro da presidente Dilma Rousseff, João Santana, afirmou: “Dilma vai ganhar no primeiro turno, em 2014, porque ocorrerá uma antropofagia de anões. Eles vão se comer, lá embaixo, e ela, sobranceira, vai planar no Olimpo.”

Marina também disse que “a cada partido que vai se criando, a sociedade já fica com medo: é mais um ministério que vai ser criado”.

Nós estamos invertendo um processo […] O que acontece tradicionalmente? Faz-se uma aliança eleitoral, ganham-se os governos e depois inventa-se um programa” Marina Silva Programa

Marina e Campos afirmaram que decidiram convocar a imprensa para anunciar que no próximo dia 29 de outubro deve ficar pronto o primeiro documento que servirá de base para o programa de governo da chapa à Presidência.

“Nós estamos invertendo um processo”, afirmou Marina. “O que acontece tradicionalmente? Faz-se uma aliança eleitoral, ganham-se os governos e depois inventa-se um programa. Nós estamos fazendo uma aliança programática, vamos adensar essa aliança, dar substância a esse conteúdo politico na forma de um programa e, aí sim, o que é uma aliança programática poderá se tornar uma aliança fática”, disse a senadora.

“É preciso que a gente tenha paciência”, disse Marina. “Para que ela seja uma ansiedade saudável, e não uma ansiedade tóxica. Porque talvez seja essa ansiedade tóxica da eleição pela eleição, do poder pelo poder, que faz com que as pessoas tenham hoje no nosso país a ter palanques nos estados e estrutura para fazer a campanha e tempo de televisão.”

saiba mais ‘Dilma ainda precisa deixar sua marca’, afirma Marina Silva ‘Ninguém vota por causa do vice’, diz ministro sobre Marina no PSB Camarotti: ‘Eduardo é o candidato’, diz Marina Marina Silva se filia ao PSB e diz que apoia candidatura de Campos Alianças regionais

Questionados sobre se há dificuldades em refletir a parceria nos estados, ambos negaram e afirmaram que é natural haver problemas. “Nos estados estão sendo metabolizadas as diferenças”, disse Marina. “Isso redesenha o quadro em muitos estados. É óbvio que esse tempo não foi suficiente para que esse redesenho fique claro. Nós vamos dialogar em cada um dos estados”, completou Eduardo.

Segundo o governador, “a Rede existe, só não tem documento”. “Então essa organização partidária em cada um dos estados está dialogando. Ao primeiro olhar, tem muito mais o que reúne do que problemas a serem administrados. Problemas ocorrerão.”

Questionado sobre como pode ficar, dentro do PSB, a convivência entre Marina – identificada com causas ambientalistas – e o deputado federal Ronaldo Caiado (DEM-GO) – ligado ao agronegócio – Campos falou na possibilidade de “afastar alguns arranjos eleitorais”, em referência a aliança antes firmada com o parlamentar em Goiás.

“Nós construímos há menos de sete dias uma aliança programática que aponta para o futuro. É claro que aliança ela é consequência no sentido de aproximar muita gente e no sentido de afastar alguns arranjos eleitorais que estavam sendo construídos a nível regional”, disse.

Entornointeligente.com

.




.

Síguenos en Twitter @entornoi






Sigue a nuestro director Hernán Porras Molina













Follow Me




.