Ascensão do terror face à indiferença - Cultura - Correio da Manhã - EntornoInteligente

Entornointeligente.com / “Encenar uma peça de teatro é sempre uma tarefa complexa”, avança ao CM o encenador António Pires. “Mas a maior dificuldade que tive foi desmistificar a ideia que as pessoas têm sobre o nazismo.” Em causa está ‘Terror e Miséria no Terceiro Reich’, uma das mais importantes obras teatrais de Bertolt Brecht, que estreia quarta-feira no Teatro do Bairro, em Lisboa, a partir do texto traduzido por Fiama Hasse Pais Brandão, estando em cena até 14 de abril. Escrita entre 1935 e 1938, quando o dramaturgo estava exilado na Dinamarca, a peça é uma reflexão sobre a sociedade germânica durante a ascensão do regime nazi ao poder e a propagação do terror na Alemanha. Adriano Luz, diretor artístico da novela da CMTV ‘Alguém Perdeu’, e Inês Castel-Branco lideram um elenco formado por oito jovens atores, neste espetáculo impregnado de ironia e comédia sobre um dos capítulos mais trágicos do século XX. “O que Brecht propõe nesta peça é um desfile de cenas sobre aqueles que ajudaram Hitler a chegar ao poder e, mais tarde, a fazer a guerra”, continua António Pires. “E o mais impressionante é que essas pessoas são muito parecidas com qualquer um de nós.” A peça mantém, por isso, toda a atualidade, face à ascensão da extrema-direita que se está a assistir. “Terror e Miséria no Terceiro Reich”, acrescenta o encenador, “é uma peça para refletir e discutir muito mais sobre o presente e o futuro do que sobre o passado”.
LINK ORIGINAL: Correio da manha

Entornointeligente.com

Advertisement

Nota de Prensa VIP

Smart Reputation