Bolsa tem forte queda com preocupações sobre variante Ômicron e retirada de estímulos à economia dos EUA. Dólar bate R$ 5,66

bolsa_tem_forte_queda_com_preocupacoes_sobre_variante_omicron_e_retirada_de_estimulos_a_economia_dos_eua_dolar_bate_r_24_5_2C66.jpg

Entornointeligente.com / RIO — A Bolsa tem forte queda, aproximando-se do patamar dos 100 mil pontos, enquanto o dólar se valoriza ante o real nesta terça-feira. Após a leve recuperação ensaiada na véspera, o sentimento negativo volta a dominar os mercados globais com o receio de que os imunizantes já existentes sejam menos eficazes para combater a nova variante do coronavírus, Ômicron. Ainda pesam nos mercados, falas do presidente do Federal Reserve, Banco Central americano, Jerome Powell, dando a entender que a retirada de estímulos à economia naquele país pode ser antecipada.

No cenário interno, os investidores também monitoram o andamento da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios no Senado.

Precatórios: Mesmo com PEC, União pode enfrentar R$ 4,8 tri em novas cobranças

Por volta de 15h05, o Ibovespa cedia 2,27%, aos 100.480 pontos. No mesmo horário, a moeda americana tinha alta de 0,45%, negociada a R$ 5,6352, após passar do patamar de R$ 5,66.

Retirada de estímulos mais acelerada A divisa ganhou força após declarações do presidente do Fed. Nesta terça-feira, Powell compareceu ao Comitê Bancário do Senado ao lado da secretária do Tesouro, Janet Yellen.

Ele destacou que a nova variantre coloca desafios adicionais no caminho do Fed tanto para atingir as metas de inflação quanto de pleno emprego.

Na prévia do discurso, que foi divulgada na segunda-feira, Powell afirmou que a Ômicron pode intensificar as interrupções na cadeia de abastecimento.

 — O recente aumento nos casos da covid-19 e o surgimento da variante Ômicron representam riscos negativos para o emprego e para a atividade econômica e aumentam a incerteza para a inflação  — ressaltou.

O presidente do Fed disse que a forte recuperação da economia dos EUA e a inflação elevada podem justificar o fim das compras de ativos pelo Fed, o chamado “tapering”, antes do planejado no próximo ano, embora a nova cepa Ômicron represente um novo risco para as perspectivas.

— Acho que é apropriado discutirmos na próxima reunião, que será em algumas semanas, se será apropriado encerrar nossas compras alguns meses antes. Nessas duas semanas vamos obter mais dados e aprender mais sobre a nova variante.

PUBLICIDADE O Fed está, atualmente, programado para concluir seu programa de compra de ativos em meados de 2022, de acordo com um plano anunciado no início de novembro.

Os legisladores do banco vão se reunir nos dias 14 e 15 de dezembro, onde poderão tomar a decisão de acelerar a redução gradual.

Após as declarações, as ações caíram aqui e lá fora, com os investidores apostando que o fim mais rápido da redução poderia levar a um aumento das taxas de juros no início do próximo ano, antes, portanto, do que o previsto anteriormente.

As autoridades do Fed têm afirmado sistematicamente que querem encerrar o processo antes de aumentar os juros.

Vacinas podem não ser eficazes A declaração de Powell se soma a do presidente executivo da Moderna, Stéphane Bancel. Em entrevista ao jornal britânico, Financial Times, Bancel disse que as atuais vacinas podem não ser tão eficazes contra Ômicron.

Ele ainda afirmou que levará meses para desenvolver um novo imunizante eficaz contra a nova cepa.

Cripto: Blockchain.com compra plataforma de criptomoedas argentina e vai abrir escritório no Brasil

— Não há como (a eficácia) ser no mesmo nível, eu acho… Acho que haverá uma queda substancial (de eficácia). Não sei de quanto, pois precisamos esperar os dados. Mas todos os cientistas com que falei estavam na linha do ‘Isso não vai ser bom’ — disse Bancel ao FT.

PUBLICIDADE As ações da Moderna, negociadas em Nasdaq, recuavam 7,79%.

Quedas na Europa e nos EUA O que preocupa os mercados são os possíveis impactos de novas restrições econômicas para a atividade econômica mundial, que ainda se recuperava das sequelas deixadas pela pandemia.

Nos Estados Unidos, as bolsas operavam com quedas. Por volta de 15h05, no horário de Brasília, o índice Dow Jones cedia 1,85% e o S&P, 1,58%. A Bolsa de Nasdaq caía 1,82%.

Na Europa, as bolsas fecharam com quedas. A Bolsa de Londres cedeu 0,71% e a de Frankfurt, 1,18%. Em Paris, ocorreu queda de 0,81%.

Portugal Giro: Empresa quer 300 brasileiros para trabalhar e repovoar cidade de Pedro Álvares Cabral

No continente europeu, o destaque também vai para o índice de preços ao consumidor na zona do euro, que subiu 4,9% em novembro na base de comparação anual. Em outubro, a alta foi de 4,1%, também na base anual.

Os dados foram divulgados nesta terça pelo escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat. É o ritmo mais rápido de aceleração na zona do euro desde julho de 1991.

INSS: Governo pode ‘ajustar’ orçamento para pagamento de perícias, diz secretário do Tesouro

As bolsas asiáticas fecharam, em sua maioria, com quedas. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, cedeu 1,63%. Em Hong Kong, a baixa foi de 1,58% e, na China, houve leve alta de 0,03%.

PUBLICIDADE Expectativa pela PEC E se não bastassem os problemas externos, os investidores ainda aguardam uma definição sobre a PEC dos Precatórios.

Na segunda-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu a PEC apresentada pelo governo. Ele disse que a proposta deve ser votada em plenário na próxima quinta-feira.

Desemprego : Taxa cai de 14,2% para 12,6% no terceiro trimestre, mas renda tem queda histórica

Mas ainda há incertezas se o governo tem votos suficientes para aprovar a medida em plenário.

Para facilitar a aprovação da medida, o governo aceitou retirar do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas à inflação, os precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento Fundametal e de Valorização do Magistério (Fundef).

A expectativa é que a PEC seja aprovada hoje na Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Além da PEC, a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre pelo IBGE fica no radar dos agentes de mercado.

Ações Entre as ações, as ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) cediam 1,23% e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 1,15%, acompanhando a queda dos pereços do petróleo no exterior.

Por volta de 15h10, em Brasília, o contrato de janeiro do petróleo tipo Brent cedia 4,06%, negociado a US$ 70,46, o barril.

PUBLICIDADE Já o do tipo WTI para o mesmo mês caía 6,36%, negociado a US$ 65,50, o barril.

As ordinárias da Vale (VALE3) caíam 0,79% e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3), 3,86%.

As preferenciais da Usiminas (USIM5) cediam 2,26%.

Leia Ainda: Dívida pública permanece estável em 82,9% do PIB em outubro

No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) tinham quedas de 2,29 e 2,32.

Com a piora no sentimento dos mercados, as companhias do setor aéreo e de turismo tinham um novo dia de perdas.

As preferenciais da Gol (GOLL4) caíam 3,46% e as da Azul (AZUL4), 5,02%.

As ordinárias da CVC (CVCB3) cediam 7,01%.

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

Smart Reputation