Com queda acentuada de casos e mortes, Uruguai começa a ver efeito da vacinação avançada

com_queda_acentuada_de_casos_e_mortes_2C_uruguai_comeca_a_ver_efeito_da_vacinacao_avancada.jpg

Entornointeligente.com / Há pouco mais de um mês, o Uruguai atravessava seu pior momento na pandemia de Covid-19, chegando a ter o pior índice de mortalidade do planeta . Desde o início de junho, contudo, o cenário vem mudando: apenas nas últimas duas semanas, os novos diagnósticos caíram 52% e as mortes, 40%. A ocupação dos leitos de terapia intensiva também diminui progressivamente, mesmo sem que fosse imposta uma quarentena.

Segundo especialistas, a melhora do quadro epidemiológico é sinal de que a campanha de vacinação uruguaia, uma das mais ágeis do mundo, começa a surtir efeito. Até terça-feira, 63% da população havia tomado uma dose e 45,4%, as duas. Todos com mais de 12 anos já estão aptos para agendar a imunização no país.

— Neste momento, não tem explicação para esta queda que não passe pela vacinação — disse ao GLOBO Henry Albornoz, professor da Universidade da República e presidente da Sociedade Uruguaia de Infectologia Clínica.

Perante o bom cenário, o país irá, a partir de 5 julho, retomar os espetáculos públicos, as festas e os eventos sociais. Apesar da queda exponencial, no entanto, a situação pandêmica uruguaia ainda está longe da tranquilidade predominante na maior parte do ano passado .

O país continua a ter a sexta maior taxa de casos diários por 100 mil habitantes do mundo e a sétima maior taxa de novas mortes, segundo o site Our World in Data, da Universidade de Oxford. E a possível da chegada da variante Delta, mais contagiosa, é motivo de preocupação.

Contexto: Avanço da variante Delta atinge até Israel e põe em xeque planos de reabertura pelo mundo

Durante quase todo o ano de 2020, o país de quase 3,5 milhões de pessoas foi um oásis e um exemplo global de controle do vírus: pouco mais de 2 mil casos e 48 mortes foram registrados entre janeiro e outubro. O governo de Luis Lacalle Pou foi ágil para fechar as fronteiras e limitar aglomerações. A quarentena não foi obrigatória, mas a população mais envelhecida da América Latina aderiu bem às restrições.

A boa comunicação oficial, aponta Albornoz, foi ponto-chave disso, assim como a realização maciça de testes e o exímio rastreio de contatos. Bastou a circulação aumentar, com a retomada das aulas e a reabertura do comércio, dos teatros e dos cinemas, para os casos subirem a partir de outubro, apesar das medidas de restrição. Hoje, o país acumula quase 367 mil casos e 5,5 mil mortes.

Notícias em imagens nesta terça-feira pelo mundo Membros das Forças de Mobilização Popular do Iraque (PMF) carregam caixões de em ato pelos que foram mortos por ataques aéreos dos EUA na fronteira entre a Síria e o Iraque, durante um funeral simbólico em Bagdá, Iraque Foto: SABA KAREEM / REUTERS Jovens colonos israelenses erguem uma bandeira israelense no recém-estabelecido posto avançado de Eviatar, perto da cidade palestina de Nablus, na Cisjordânia ocupada Foto: MENAHEM KAHANA / AFP O presidente israelense, Reuven Rivlin, e o dos EUA, Joe Biden, se reúnem no Salão Oval da Casa Branca, em Washington, capital dos EUA Foto: SAUL LOEB / AFP Manifestantes derrubam estatua de Cristóvão Colombo durante uma manifestação contra o governo em Barranquilla, Colômbia Foto: MERY GRANDOS HERRERA / AFP Coluna de cinzas expelida da cratera do vulcão Rincon de La Vieja na Libéria, Costa Rica Foto: – / AFP Pular PUBLICIDADE Fogos de artifício explodindo durante uma apresentação de arte realizada no estádio nacional Bird's Nest para marcar o próximo 100º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês, em Pequim Foto: STR / AFP Camilo Barato e Cristian Toquica se beijam diante da Movistar Arena colorida com a bandeira do arco-íris durante o Dia Internacional do Orgulho LGBTIQ em Bogotá, Colômbia Foto: DANIEL MUNOZ / AFP PUBLICIDADE Aumento dos casos A primeira onda visível no país coincidiu com as festas de fim de ano, quando muitos expatriados retornaram — volume inferior ao de épocas não pandêmicas, mas ainda assim significativo. Ainda em janeiro, entretanto, ela perdeu força: sem aulas e em pleno verão, uma boa parcela dos uruguaios tirou férias, reduzindo a circulação em Montevidéu, onde se concentra a maioria da população uruguaia. 

Os casos, ainda assim, nunca retornaram ao baixo patamar de 2020 e bastou a volta da rotina, na segunda quinzena de fevereiro, para que crescessem exponencialmente — e, desta vez, com a variante Gama, a P.1, descoberta originalmente em Manaus, na mistura. Entre a segunda quinzena de março e o meio de abril, o país viu a média móvel de morte diárias passar de 8 para mais de 60. Apesar de tomar medidas como suspender as aulas e as atividades em órgãos públicos , não impôs quarentenas.

Em paralelo, tocava sua campanha de vacinação. A maior parte das doses aplicadas no Uruguai é da Sinovac, imunizante que no Brasil ganhou o nome de CoronaVac e é produzido em parceria com o Instituto Butantan. Em menor escala, o país usa também doses da Pfizer-BioNTech e da Universidade de Oxford-AstraZeneca.

Na região: Chile confirma primeiro caso de variante Delta do coronavírus no país

Sabe-se que as doses chinesas, feitas a partir de vírus inativado, são menos eficientes para conter a transmissão que as de RNA mensageiro, como as doses da Pfizer. Isto, contudo, não significa que sejam piores: apenas mostra que é necessário vacinar uma maior parcela da população para que seu impacto na curva de contágio seja sentido com mais força.

PUBLICIDADE Segundo um estudo preliminar divulgado no fim do mês passado pelo Ministério da Saúde Pública uruguaio, a CoronaVac foi capaz de barrar o contágio no país em 57% dos casos, mas evitou internações em terapia intensiva em 95% dos vacinados e a morte, em 97%. As estatísticas da Pfizer no país, por comparação, foram respectivamente 75%, 99% e 80%. Hoje, segundo Albornoz, apenas 2% das novas internações em terapia intensiva no país são pessoas que já tomaram as duas doses há mais de 14 dias.

— Temos documentado que a Sinovac gera uma resposta imune e temos evidências que ela é efetiva para reduzir a ocorrência de casos moderados e severos, internações e riscos de mortes — afirmou Albornoz. — Essa queda que nós vemos é muito difícil de explicar sem que se leve em conta a efetividade da Sinovac (…). A melhor vacina é aquela que está disponível.

Entenda: Por que o Chile passa por um pico de novos casos de Covid-19 mesmo com a vacinação adiantada

Variante Delta O que vem gerando preocupação, contudo, é a chegada da Delta, a variante originalmente descoberta na Índia. A cepa é responsável por novos surtos na Europa e pelo aumento dos casos em Israel que, apesar de já ter aplicado a segunda dose em 57% de sua população, viu os novos contágios crescerem 1.049% em 14 dias.

PUBLICIDADE No momento, a mutação não foi detectada em solo uruguaio, mas, diante de sua disseminação global, o próprio governo reconhece que sua chegada é iminente. O ministro da Saúde Pública, Daniel Salinas, anunciou na última sexta-feira que todas as pessoas que ingressarem no país deverão fazer um teste PCR 72 horas antes do embarque e outro sete dias após o primeiro exame. A outra opção é fazer uma quarentena de 14 dias.

— É uma medida de adaptação em resposta à variante Delta — disse ele, afirmando que é necessário olhar para a situação com “realismo”. — Devemos estar atentos, ser proativos, mas não dramatizar a situação.

Leia mais: Embates entre Executivo e Judiciário se multiplicam na América Latina e preocupam juristas e ONGs

Albornoz crê que a cepa deve começar a circular em maior escala no Uruguai a partir de agosto, quando chegam ao fim as férias de inverno — os Estados Unidos, onde a mutação caminha a passos largos para se tornar predominante nas próximas semanas, é um destino particularmente popular entre os uruguaios. A extensa fronteira com o Brasil e a conurbação das cidades fronteiriças também ajudam a aumentar a circulação internacional.

A expectativa, contudo, é que a vacinação adiantada seja suficiente para conter um surto da magnitude do visto no início do ano:

PUBLICIDADE — O Uruguai está bem blindado com vacinação que tem — disse ao El País uruguaio o infectologista Eduardo Savio. — A chegada da variante Delta é problemática, sem dúvidas, mas estamos bem posicionados — completou, afirmando também crer que a cepa mais contagiosa pode antecipar a necessidade de doses de reforço, a depender do tempo de imunidade que as duas doses originais garantirão.

O Globo, um jornal nacional:   Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

Smart Reputation

Boxeo Plus
Boxeo Plus

Smart Reputation

Más en EntornoInteligente.com