Ingleses lotam casas noturnas no 'dia da liberdade', e Boris já fala em exigir certificado de vacinação para entrada

ingleses_lotam_casas_noturnas_no_26_23039_3Bdia_da_liberdade_26_23039_3B_2C_e_boris_ja_fala_em_exigir_certificado_de_vacinacao_para_entrada.jpg

Entornointeligente.com / LONDRES — Horas depois que as casas noturnas em toda a Inglaterra abriram suas portas pela primeira vez em 16 meses, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que vai exigir que a prova de vacinação com duas doses seja uma condição para a entrada em boates e bares a partir do final de setembro. Desde a meia-noite desta segunda, primeiro dia de suspensão de todas as restrições contra a Covid-19, o chamado  “dia da liberdade”, milhares de pessoas abraçadas em pistas de dança lotaram boates e bares até a madrugada.

— Posso avisar agora que até o final de setembro, quando todos os maiores de 18 anos terão recebido duas doses, estamos planejando tornar a vacinação completa como condição para a entrada em casas noturnas e outros locais onde grandes multidões se reúnem — disse Johnson nesta segunda. — A prova de um teste negativo não será mais suficiente.

Contexto : Reino Unido registra maior número de casos de Covid desde janeiro, e cientistas pedem que governo adie fim das restrições

O fim das restrições foi mantido apesar do aumento do número de casos no país, atingindo uma média de 42 mil infecções diárias, números observados durante o pico da onda de vírus anterior, em janeiro. Apesar disso, com mais da metade da população totalmente vacinada, a média diária de mortes, em torno de 40, é bem menor que nas ondas anteriores.

Britânicos vão às ruas em movimento contra lockdown e antivacina em meio a aumento de casos da Covid-19 Manifestante fala com um policial durante protesto contra lockdown e antivacina, em Downing Street, em meio ao aumento de casos da COVID-19, em Londres Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Um manifestante usa um megafone durante um protesto perto do Parlamento. Diante do aumento de casos de Covid-19 no Reino Unido, o primeiro-ministro, Boris Johnson, anunciou, nesta segunda-feira, o adiamento do fim das restrições anticovid Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Cronograma de desconfinamento estava prevista para o próximo dia 21 Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Manifestantes participam de um protesto contra lockdown em frente às Casas do Parlamento, em Londres. Aas últimas duas semanas, o país viu os diagnósticos crescerem 127%, impulsionados pela disseminação da variante Delta, primeiramente identificada na Índia, apesar da acelerada vacinação Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Data para o fim das restrições anticovid, que vem sendo chamada de "dia da liberdade", foi adiada por quatro semanas, para 19 de julho Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Pular PUBLICIDADE Manifestantes participam de um protesto em Downing Street, em meio ao crescente número de casos da covid-19, pedindo fim das restrições. Segundo o premier, adiamento é necessário para que mais pessoas possam receber as duas doses Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Manifestantes bloqueiam rua em frente ao Parlamento britânico Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Protesto contou com participação de ativistas como Piers Corbyn Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Manifestantes confrontam a polícia durante protesto neste segunda-feira, em Downing Street Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS O Reino Unido entrou em uma quarentena total no fim do ano passado. Desde fevereiro, as restrições são gradualmente aliviadas em um plano de quatro etapas Foto: HENRY NICHOLLS / REUTERS Mesmo assim, o conselheiro científico chefe do país, Patrick Vallance, alertou nesta segunda-feira que 60% das pessoas admitidas no hospital com Covid-19 receberam duas doses da vacina.  Poucas horas antes das regras serem suspensas, Johnson foi forçado a se isolar depois de ter tido contato com o ministro da Saúde, que está infectado. O premier havia dito originalmente que participaria de um programa piloto que permitiria que ele evitasse a quarentena, mas mudou de ideia horas depois de uma furiosa reação pública.

Agência :  Contágios por Covid na Europa devem aumentar em cinco vezes até agosto

Na sexta-feira, cientistas renomados de diversos países publicaram uma carta solicitando que Londres adiasse o fim das restrições, mas Johson não cedeu.

PUBLICIDADE — Se não fizermos isso agora, temos que nos perguntar, quando faremos? — disse, afirmando que seria um risco maior reabrir no inverno, quando o vírus se espalha mais facilmente e os sistemas de saúde ficam sob maior pressão. — Mas temos que fazer isso com cautela. Temos que lembrar que este vírus infelizmente ainda está lá fora. Os casos estão aumentando e podemos ver a extrema contagiosidade da variante Delta.

França : País passa a exigir certificado de saúde em shoppings, trens e aviões, e impõe vacinação a profissionais da área médica

A partir de agosto, qualquer pessoa sem um “passe de saúde” comprovando que foi vacinada ou que teve um teste negativo recentemente não será admitida em restaurantes, cafés ou cinemas, e não poderá viajar longas distâncias de trem.

O uso de máscaras não é mais exigido por lei no país, embora o governo ainda “espere e recomende” sua utilização em alguns espaços fechados. Também não há mais limites para o tamanho das reuniões,  asssim como em pubs, shows, eventos esportivos e teatros.

Nem todo o Reino Unido, no entanto, acabou totalmente com as restrições. A Escócia permitiu a reabertura de pubs e restaurantes, mas os limites para reuniões ao ar livre permanecem, assim como o retorno dos trabalhadores aos escritórios, que foi adiado. Máscaras também continuam obrigatórias no país. Na Irlanda do Norte, as restrições devem ser relaxadas em 26 de julho, e no País de Gales em 7 de agosto.

O Globo, um jornal nacional:   Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

Smart Reputation

Boxeo Plus
Boxeo Plus

Smart Reputation

Más en EntornoInteligente.com