PM e outros dois suspeitos de participação em estupro coletivo em GO têm pedido de liberdade negado pela Justiça

pm_e_outros_dois_suspeitos_de_participacao_em_estupro_coletivo_em_go_tem_pedido_de_liberdade_negado_pela_justica.jpg

Entornointeligente.com / RIO — O subtenente da Polícia Militar do Distrito Federal Irineu Marques Dias, de 44 anos, e outros dois suspeitos de participação num estupro coletivo de uma mulher, durante uma festa em Águas Lindas de Goiás (GO), tiveram o pedido de liberdade, sem fiança, negado pela Justiça de Goiás, nesta quarta-feira. A decisão de manter os três presos foi do juiz Leonardo Lopes dos Santos Bordini.

‘Foi aterrorizante’:   Jovem que denunciou estupro coletivo relata abusos durante festa, em GO

Também nesta quarta-feira a delegada Tamires Teixeira, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), responsável pela investigação, afirmou que a vítima, de 25 anos, será novamente ouvida. De acordo com Tamires, o objetivo do novo depoimento será “esclarecer os detalhes” do que ocorreu no dia da festa onde, segundo a vítima, ela foi abusada.

Segundo agente executado em menos de 24 horas:   Policial é morto com mais de 30 tiros na fronteira do Brasil com o Paraguai

— Vou ouvir a vítima novamente para esclarecer os detalhes. Havia várias mulheres na festa. A vítima não soube identificar quem as levou. Por isso quero ouvi-la novamente — disse Tamires.

Recordista mundial:   Estrela olímpica do Quênia é encontrada morta a facadas em casa

Medo de morrer Além de Dias, estão presos preventivamente Thiago de Castro Muniz, de 36 anos, e Daniel Marques Dias, de 37, irmão do subtenente e dono da casa onde ocorreu a festa. De acordo com o relato da vítima, ela foi rendida por um grupo de homens por volta das 3h de sábado. A mulher contou que procurava um lugar para dormir pois queria descansar e aproveitar a piscina da residência no dia seguinte. Duas mulheres teriam indicado um quarto onde a vítima poderia deitar.

De acordo com a vítima, logo após ter se acomodado, Dias invadiu o quarto, sacou uma arma da cintura, fez ameaças e arrancou suas roupas. Ela afirmou que sequer teve tempo de esboçar qualquer reação, pois ficou com medo de morrer.

— A arma estava do meu lado e eu só tive que fingir o tempo inteiro, com os meus olhos cheios de lágrimas. Foi aterrorizante — afirmou a mulher, em entrevista ao “Correio Braziliense”.

PUBLICIDADE
LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

Smart Reputation

Boxeo Plus
Boxeo Plus

Smart Reputation

Más en EntornoInteligente.com