Tribunal de paz da Colômbia acusa 10 militares de assassinarem 120 civis   » EntornoInteligente

Tribunal de paz da Colômbia acusa 10 militares de assassinarem 120 civis  

tribunal_de_paz_da_colombia_acusa_10_militares_de_assassinarem_120_civisnn.jpg

Entornointeligente.com / BOGOTÁ — O Juizado Especial para a Paz (JEP) da Colômbia, tribunal que emergiu do acordo de paz histórico com as Farc assinado em 2016, acusou nesta terça-feira 10 militares e um civil pelo desaparecimento forçado de 24 pessoas e o assassinato de ao menos 120 civis, e de apresentá-los falsamente como guerrilheiros mortos em combate.

É a primeira vez que a JEP acusa membros do Exército colombiano de ligação com o chamado escândalo dos “falsos positivos” , no qual soldados mataram civis e os classificaram como rebeldes abatidos em combate para receber promoções e outros benefícios. Segundo um relatório publicado em fevereiro,  pelo menos 6.400 civis foram executados pelos militares na Colômbia e apresentados como mortos em combate entre 2002 e 2008.

Protestos na Colômbia fazem reforma tributária recuar sobre rastro de sangue; veja fotos Manifestantes enfrentam tropas de choque durante protesto contra projeto de reforma tributária lançado pelo presidente colombiano Ivan Duque, em Cali Foto: PAOLA MAFLA / AFP Manifestantes enfrentam tropas de choque durante confrontos em Cali Foto: LUIS ROBAYO / AFP Policial de choque dispara gás lacrimogêneo contra manifestantes Foto: LUIS ROBAYO / AFP Parentes e amigos de Nicolas Guerrero, morto durante confrontos com a tropa de choque em um protesto contra um projeto de reforma tributária, se reúnem em torno de velas em torno das palavras "Nico foi morto pela ESMAD" ("Escuadron Movil Antidisturbios", tropa de choque da polícia nacional), durante uma vigília em sua homenagem, em Cali Foto: LUIS ROBAYO / AFP Colombianos fazem homenagem a manifestantes que morreram, desapareceram ou se feriram durante protestos contra a reforma tributária do presidente Iván Duque Foto: Luis Robayo / AFP Pular PUBLICIDADE Homem caminha em frente a um ônibus de transporte público em chamas durante um protesto contra um projeto de reforma tributária lançado pelo presidente colombiano Iván Duque, em Cali Foto: PAOLA MAFLA / AFP "Estão nos matando, desperta, país indolente", diz cartaz de manifestante que mar segurando bandeira nacional, em Bogotá Foto: JUAN BARRETO / AFP "Quando o rico rouba se chama negócio. Quando o pobre luta para recuperá-lo é chamado de vândalo", diz cartaz de manifestante em Bogotá Foto: JUAN BARRETO / AFP Policial de choque é atingido por coquetel molotov lançado durante confrontos com manifestantes Foto: LUIS ROBAYO / AFP Manifestante é atingido por um coquetel molotov lançado durante confrontos com policiais de choque durante um protesto contra uma proposta de reforma tributária do governo em Cali Foto: LUIS ROBAYO / AFP Pular PUBLICIDADE Manifestantes dançam durante um protesto contra um projeto de reforma tributária lançado pelo presidente Ivan Duque, em Medellín, Colômbia| Foto: JOAQUIN SARMIENTO / AFP Manifestante se prepara para atirar pedras na tropa de choque durante confrontos após um protesto contra o projeto de reforma tributária lançado pelo presidente colombiano Ivan Duque, em Medellín Foto: Joaquin Sarmiento / AFP Manifestantes enfrentam a polícia durante manifestação contra a reforma tributária proposta pelo presidente colombiano Ivan Duque, em Bogotá Foto: Raul Arboleda / AFP Manifestantes enfrentam tropas de choque durante protesto contra projeto de reforma tributária lançado pelo presidente colombiano Ivan Duque, em Cali, Colômbia Foto: PAOLA MAFLA / AFP Trabalhadores da saúde gesticulam em apoio ao protesto contra o projeto de reforma tributária lançado pelo presidente colombiano Ivan Duque, em Medellín Foto: Joaquin Sarmiento / AFP Na fronteira : Presidente da Colômbia denuncia ataque contra helicóptero em que viajava na fronteira com a Venezuela

Identificados pela JEP como os responsáveis por dar as ordens para os assasinatos, os acusados incluem um general, seis oficiais, três oficiais subalternos e um civil. Ainda de acordo com o tribunal, os acusados desempenharam um papel decisivo nos assassinatos na região de Catatumbo, no departamento (estado) de Norte de Santander , entre janeiro de 2007 e agosto de 2008, para inflar a contagem de corpos. As vítimas incluíram agricultores e comerciantes, entre outros.

— Era um padrão de macrocriminalidade, ou seja, a repetição de ao menos 120 assassinatos durante dois anos na mesma região, cometidos pelo mesmo grupo de pessoas associadas a uma organização criminosa e seguindo o mesmo modus operandi — disse a juíza Catalina Diaz. — As provas indicam que são penalmente responsáveis pelo crime de guerra de homicídio de pessoa protegida e pelos crimes contra a Humanidade de assassinato e desaparecimento forçado.

E mais : Ex-presidente Santos pede desculpas por não ter evitado execuções extrajudiciais na Colômbia

Entre os acusados está o general Paulino Coronado, que na época comandava a Brigada 30 do Exército, que estava presente na região fronteiriça com a Colômbia. Dois coronéis, um tenente e vários oficiais da Inteligência também estão envolvidos.

“Sob uma lógica criminosa semelhante à da limpeza social, essas vítimas foram escolhidas porque eram trabalhadores informais ou desempregados, tinham alguma deficiência ou porque eram moradores de rua”, denunciou o tribunal.

PUBLICIDADE Contexto : Protestos contra reforma tributária na Colômbia refletem descontentamento social com governo de Iván Duque

Embora o alto comando militar sempre tenha negado que se tratou de uma ação sistemática, segundo o JEP “estes acontecimentos não teriam ocorrido sem a política institucional do Exército de contagem de corpos (…) e a constante pressão exercida pelos comandantes sobre seus subordinados para obter mortos em combate”.

A partir de hoje, os acusados terão 30 dias para reconhecer ou não sua participação nos crimes. Aqueles que confessarem sua responsabilidade e repararem as vítimas podem receber uma pena alternativa à prisão.

— Os imputados que não assumirem responsabilidades ou não dizerem a verdade (…) estão sujeitos a penas privativas de liberdade de até 20 anos se forem condenados em juízo — alertou o presidente do tribunal, Eduardo Cifuentes.

Em janeiro, o JEP indiciou oito altos dirigentes das antigas Farc por crimes contra a Humanidade ocorridos entre 1990 e 2016, quando sequestraram 21.396 pessoas. Os ex-rebeldes, que reconheceram sua responsabilidade no tribunal, ainda não receberam sua sanção.

O Globo, um jornal nacional:   Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

LINK ORIGINAL: OGlobo

Entornointeligente.com

www.smart-reputation.com
Smart Reputation Smart Reputation

Noticias de Boxeo

Boxeo Plus
Boxeo Plus
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation
Repara tu reputación en Twitter con Smart Reputation

Adscoins

Smart Reputation

Smart Reputation