Grammy: Bruno Mars e Kendrick Lamar se destacam na premiação preliminar - EntornoInteligente

OGlobo /

RIO – Bruno Mars e Kendirck Lamar saíram na frente da premiação preliminar do Grammy , das categorias secundárias, anunciada antes da cerimônia principal, no Madison Square Garden, em Nova York, no começo da noite de domingo. Bruno levou quatro prêmios: de melhor performance e melhor canção de r&b (por “That’s what I like”), melhor álbum de r&b e melhor engenharia de som (por “24k magic”). Já Kendrick levou três: melhor performance, melhor canção e melhor vídeo musical (todos por “HUMBLE.”).

Veja também Grammy olha para os artistas negros em edição de 2018 Jay Z lidera disputa pelo Grammy 2018, que tem ‘Despacito’ entre indicados Crítica: Bruno Mars sua a camisa e promove baile de primeira linha na Apoteose Bruno Mars ainda concorre a disco e álbum do ano (por “24k magic”) e canção do ano (“That’s what I like”). E Kendrick Lamar a álbum do ano e melhor álbum de rap (por “DAMN.”), melhor performance cantada de rap (“LOYALTY.”) e disco do ano (“HUMBLE.”). A cerimônia da premiação principal do Grammy começa às 22h30m, com transmissão exclusiva para o Brasil pelo canal TNT.

Os brasileiros, que concorriam na categoria melhor álbum de jazz latino, com “Hybrido – From Rio to Wayne Shorter” (do pianista Antonio Adolfo) e “Outra coisa – The music of Moacir Santos” (que a clarinestista israelense Anat Cohen gravou com o violonista Marcello Gonçalves) foram derrotados por “Jazz tango”, do trio do pianista argentino Pablo Ziegler. Já Anat, que concorria a melhor álbum de world music por “Rosa dos ventos”, que gravara com o Trio Brasileiro, perdeu para o grupo sul-africano Ladysmith Black Mambazo, com “Shaka Zulu revisited: 30th anniversary celebration”.

Entre as boas surpresas da premiação preliminar esteve o Grammy de melhor álbum de pop vocal tradicional dado ao disco em que vários artistas celebraram os 90 anos do cantor Tony Bennett (que foi recebido pelo próprio e por seu filho, Dae, produtor do trabalho). O canadense Leonard Cohen granhou melhor performance de rock por “You want it darker” (disco que o cantor lançou em 2016, 19 dias antes de morrer) e o grupo War On Drugs ganhou o de melhor álbum de rock por “A deeper understanding”.

Ed Sheeran, o grande enobado do Grammy, ganhou o prêmio de melhor álbum vocal de pop (por “Divide”), o Mastodon o de melhor performance de metal e o National o de melhor álbum alternativo por “Sleep well beast”, recebida pelo baixista Scott Devendorf. Já o melhor álbum de urbano contemporâneo foi para “Starboy”, do Weeknd. Veja abaixo os principais vencedores.

Melhor álbum vocal de pop: “÷ (divide)”, de Ed Sheeran.

Melhor performance de duo ou grupo pop: “Feel It Still”, de Portugal. The Man.

Melhor gravação de dance music: “Tonite”, de LCD Sounsdystem

Melhor álbum de eletrônico/dance music: “3-D The Catalogue”, do Kraftwerk

Melhor álbum de pop vocal tradicional: “Tony Bennett Celebrates 90”, vários artistas.

Melhor performance de rock: “You want It darker”, de Leonard Cohen.

Melhor canção de rock: “Run”, dos Foo Fighters.

Melhor álbum de rock: “A deeper understanding”, do War On Drugs.

Melhor performance de metal: “Sultan’s Curse”, do Mastodon.

Melhor álbum de música alternativa: “Sleep well beast”, do National

Publicidade

Melhor performance de r&b tradicional: “Redbone”, de Childish Gambino

Melhor performance de r&b: “That’s what I like”, de Bruno Mars.

Melhor canção de r&b: “That’s what I like”, de Bruno Mars.

Melhor canção urbana contemporânea: “Starboy” de Weeknd

Melhor álbum de r&b: “24K magic”, de Bruno Mars.

Melhor performance de rap: “HUMBLE.”, de Kendrick Lamar.

Melhor canção de rap: “HUMBLE.”, de Kendrick Lamar.

Melhor álbum de jazz latino: “Jazz Tango”, do Pablo Ziegler Trio.

Melhor álbum de pop latino: “El Dorado”, de Shakira.

Melhor álbum latino de rock, urbano ou alternativo: “Residente”, de Residente.

Melhor performance de música de raiz americana: “Killer driller blues”, do Alabama Shakes.

Melhor álbum de reggae: “Stony hill”, de Damian “Jr. Gong” Marley.

Melhor álbum de world music: “Shaka Zulu revisited: 30th anniversary celebration”, do Ladysmith Black Mambazo.

Melhor álbum de spoken word: “The princess diarist”, de Carrie Fisher.

Melhor engenharia de som, não-clássico: “24K magic”, de Bruno Mars.

Publicidade

Produtor do ano, não-clássico: Greg Kurstin.

Melhor gravação remixada: “You move (Latroit remix)”, do Depeche Mode.

Melhor vídeo musical: “HUMBLE.”, de Kendrick Lamar.

Grammy: Bruno Mars e Kendrick Lamar se destacam na premiação preliminar

Con Información de OGlobo

www.entornointeligente.com

Síguenos en Twitter @entornoi