BRASIL: Viúva de pedreiro morto na Rocinha com filho no colo tinha perdido o pai há um mês - EntornoInteligente

OGlobo /

RIO – A morte do ajudante de pedreiro Davidson Farias de Sousa, de 28 anos , com um tiro no lado esquerdo do peito quando estava com o filho de seis meses no colo foi a segunda tragédia na vida da cuidadora de idosos Adriana Santos da Silva, de 26 anos, em menos de um mês. Além de perder o marido por um disparo que, segundo a família da vítima, foi feito por um policial militar, Adriana sofre há cerca de 30 dias com a morte do pai, Sebastião Francisco da Silva. Aos 58 anos, ele sofreu um edema cerebral e não resistiu.

Veja também Testemunhas da violência do Rio são escolhidas para representar apóstolos na cerimônia do Lava-pés Secretário anuncia que PMs farão cursos de reciclagem nos próximos dias Com filho no colo, ajudante de pedreiro é morto na Rocinha – O que vou dizer para o meu filho quando ele crescer? Como explicar que o pai dele foi atingido por um tiro quando ele estava em seu colo? Até agora estou perguntando para Deus por que estou passando por isso. Por que eu perdi meu pai. Por que perdi meu marido. Por quê? Se meu filho me perguntar vou dizer a ele que não sei.

Os três irmãos de Davidson, a mãe deles, suas tias e primos, a maioria nascida em Pernambuco e moradora da Rocinha, se reuniu nesta sexta-feira na casa da matriarca, Marlene Farias da Silva, de 50 anos, na localidade de Vila Verde, onde a vítima estava com o filho quando foi atingida. Nesta quinta-feira, Davidson estava na casa da mãe para cuidar dos preparativos do almoço da Sexta-feira Santa, que seria uma caldeirada de frutos do mar.

LEIA MAIS : Após morte de Marielle, governo promete reforçar programa que protege ativistas

Especialistas criticam primeiro dia de patrulhamento das Forças Armadas nas ruas do Rio

Investigações revelam redes de corrupção e tráfico nas cadeias

Nesta sexta-feira, a família fez questão de se encontrar e almoçar em homenagem ao parente morto, que pescou a maior parte dos ingredientes do prato. A família diz que ainda não sabe o que irá fazer para cobrar por justiça, já que, segundo ela, os tiros foram disparados por policiais militares do Batalhão de Choque, que fizeram uma operação na localidade no fim da tarde de quinta-feira. O tiro teria sido disparado a cerca de 150 metros da casa onde estava Davidson e foi dado de baixo para cima.

Publicidade

LEIA TAMBÉM : PCC chega à Rocinha e Estado do Rio ganha mais um inimigo

Procurada, a Polícia Militar ainda não se pronunciou sobre a acusação feita pela família de Davidson de que ele foi morto por um PM. Em nota, a Polícia Civil afirma que não tem informações no momento, e que as informações seguem na Divisão de Homicídios da Capital.

Com a morte de Davidson, a Rocinha chegou, nesta quinta-feira, a triste marca de 12 mortes num intervalo de apenas oito dias. Moradores da comunidade dizem não aguentar mais a rotina de violência, com tiroteios acontecendo a qualquer hora do dia ou da noite. Alguns deles, ouvidos pelo GLOBO, contaram como têm sido os últimos dias na favela e revelam o medo de viver numa área tomada por confrontos.

Um balanço divulgado pela Polícia Militar indica que mais de 50 pessoas morreram na Rocinha desde 18 de setembro , incluindo dois PMs e uma turista espanhola. Desde então, a polícia realiza uma ação continuada na comunidade. A polícia considera a maior parte dos mortos como criminosos.

BRASIL: Viúva de pedreiro morto na Rocinha com filho no colo tinha perdido o pai há um mês

Con Información de OGlobo

www.entornointeligente.com

Síguenos en Twitter @entornoi