BRASIL: Professora realiza sonho da irmã e 'empresta' barriga para gerar sobrinho - EntornoInteligente

G1 Globo / Com quase nove meses de gestação, a professora Aline Bruni Pereira Leite, de Ribeirão Preto (SP), já está com as malas prontas para a maternidade. O parto foi combinado e está previsto para 23 de setembro. A gravidez, no entanto, não é nada convencional. O bebê que Aline carrega no ventre é, na verdade, seu sobrinho. Num gesto de solidariedade, a professora realiza o sonho da irmã, a médica Lígia Bruni Nocera, de ser mãe. “É uma felicidade que não tem como explicar. Uma gratidão que terei para o resto da vida”, afirma.

Lígia, que mora em Campo Grande (MT), conta que tentou engravidar durante oito anos. Mesmo após inúmeros tratamentos de fertilização, nenhuma das gestações evoluiu. “Dois tratamentos evoluíram para uma gravidez, mas não se completaram. Eu tive dois abortos. Um deles faz cinco anos e o último foi no ano passado: eu estava grávida de gêmeos. No terceiro mês de gestação, senti dores e tive a sensação de perda. Foi muito traumático”, relembra.

saiba mais Bebê de 10 meses é abandonado no meio da rua em Franca, SP Família faz campanha de doação de sangue para bebê com leucemia rara Família de bebê com doença rara faz campanha por cirurgia no exterior A médica chegou a desistir da ideia de ser mãe. Com embriões de tratamentos anteriores sobrando, os profissionais que atendiam Lígia sugeriram a possibilidade de uma “barriga de aluguel”. Foi aí que irmã teve a ideia de se oferecer para o procedimento. “Eu jamais teria coragem de pedir uma coisa dessas para ela, apesar de sermos extremamente unidas. No começo, eu disse que não. No calor da emoção, achei que ela estivesse com pena de mim. Mas ela foi bem insistente e aceitamos quando a família toda se juntou nisso e abraçou a causa”, diz Lígia.

O amor e a vontade de tornar o sonho da irmã realidade fizeram com que Aline aceitasse os desafios da gravidez: enjoos, tonturas, inchaço e restrições. “Eu demorei para ter filho, mas foi a coisa mais legal que aconteceu na minha vida. Fui tão feliz sendo mãe que eu gostaria que a Lígia tivesse essa felicidade também”, afirma a professora.

O parto de Aline já foi combinado e agendado: o sobrinho que carrega no ventre deve chegar em 23 de setembro (Foto: Carlos Trinca/EPTV) A espera pelo bebê também é compartilhada com carinho por José Venâncio Pereira Leite, de 8 anos, filho de Aline. O garoto já considera a criança que a mãe carrega no ventre como “primo-irmão”. “A sementinha é da minha tia, mas a barriga é da minha mãe. Eu não acho ruim. Não sei porque tem que ter ciúmes. Eu também já usei essa barriga. Acho um gesto bonito, porque como minha tia não pode ter filho, minha mãe empresta a barriga dela”, diz o menino.

Amamentação Às vésperas do nascimento do filho, Lígia acompanha os momentos finais da gravidez de Aline. Como não pode gerar o bebê, a médica tenta agora um tratamento para lactação. “Vamos ver se, com o tratamento, eu vou conseguir amamentar. Já que eu não carreguei esse bebezinho na minha barriga, esse contato pele com pele da amamentação vai ser muito importante para criar um vínculo”, diz.

Lígia diz que não há palavras para definir o sentimento de eterna gratidão pela irmã. “É uma felicidade que não tem como explicar, chegou a minha hora. Estou contando os minutos para isso. É uma gratidão que eu vou ter para o resto da minha vida, ou sei lá quantas vidas para agradecer isso”, brinca.

Já Aline, carrega consigo, além do bebê, a certeza de que existe amor de sobra para a criança. “Ele foi um bebê muito desejado. Tanto pelos pais biológicos quanto por nós, tios, que teremos um  sentimento muito especial por ele. Acho que vai ser uma criança muito amada. Criança que nasce com amor provavelmente vai ser muito feliz.

Aline (esq.) gerou filho da irmã Lígia (dir.) para realizar sonho da mulher de ser mãe (Foto: Carlos Trinca/EPTV)

Con Información de G1 Globo

Entornointeligente.com




Instagram

Username or hashtag @entornointeligente is incorrect.