BRASIL: Prefeitura gastou mais com Blocodrómo do que com educação - EntornoInteligente

OGlobo /

RIO – Alvo de críticas antes mesmo de estrear no carnaval carioca, o Blocódromo erguido no Parque dos Atletas, na Barra da Tijuca, teve um custo mais alto para a prefeitura do que todo o montante investido pelo município, no ano passado, na construção de Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDIs).

Veja também Crivella libera subvenção para escolas de samba da Série A Turistas não precisam de vacina no carnaval do Rio, diz ministério Mangueira convida para desfile movimentos sociais e culturais envolvidos em polêmicas com Crivella Entre valores destinados a cenografia e a infraestrutura da arena, além do pagamento para uma produtora de eventos, o total destinado ao espaço chega a R$ 3,3 milhões aproximadamente, conforme o publicado em Diário Oficial.

Enquanto isso, segundo o Portal de Transparência da prefeitura, foram executados pouco menos de R$ 2,8 milhões, em 2017, na viabilização de novas unidades destinadas à educação infantil.

Na prática, nenhum espaço com esse fim foi inaugurado pela prefeitura ao longo do ano passado. A exceção fica por conta do novo endereço da Escola Municipal Lincoln Bicalho Roque, em Curicica, na Zona Oeste, que vinha operando em instalações provisórias desde 2015.

De acordo com a Secretaria municipal de Educação (SME), o déficit nas creches municipais é, hoje, de quase 33 mil vagas. Atualmente, a rede atende 60.219 crianças em 528 creches e EDIs próprios, e outras 15.582 em 158 creches conveniadas com o município do Rio.

A SME lembrou que, no ano passado, a prefeitura aumentou de R$ 300 para R$ 600 as diárias pagas por aluno às creches privadas conveniadas. Ao anunciar a medida, em meados de 2017, Crivella desfalcou justamente a folia, cortando pela metade a subvenção às escolas de samba do Grupo Especial.

Mesmo com os novos valores do repasse, o montante investido na arena carnavalesca seria suficiente para bancar um mês de matrícula em creches particulares conveniadas para cerca de 5.500 crianças. O número equivale a um sexto do déficit divulgado pela SME.

A pasta alega que, devido a dificuldades orçamentárias, vem priorizando um programa de reforma nas escolas, bem como a conclusão do projeto de climatização da rede e o aumento da conectividade nas unidades.

Publicidade

A SME também argumenta que a ampliação de vagas nas creches “não é simples”. “Em uma turma de 25 alunos, tem-se um professor no ensino fundamental. Na creche, são cinco adultos cuidando de um grupo de 25 bebês”, afirmou o órgão por nota.

A verba gasta com o Blocódromo não é a única polêmica em que o espaço está envolvido. Blocos consagrados e foliões enxergam na medida o risco de transformar a festa carioca em um evento mais artificial.

O orçamento do Blocódromo inclui até área VIP, com 20 mesas bistrô, 80 banquetas altas, quatro sofás e 64 pufes. No cardápio, frios e canapés quentes servidos para 300 pessoas.

BRASIL: Prefeitura gastou mais com Blocodrómo do que com educação

Con Información de OGlobo

www.entornointeligente.com

Síguenos en Twitter @entornoi