BRASIL: Polícia quer material genético da mãe do embaixador para identificar corpo - EntornoInteligente

OGlobo / RIO – Os investigadores estrangeiros que buscam uma prova irrefutável de que o corpo encontrado carnobonizado em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, é do embaixador grego Kyriakos Amiridis, de 59 anos. Segundo informações da Globo News, o objetivo é que seja realizado um exame comparando os DNAs do cadáver com o da mãe do embaixador, que vive na Grécia.

A ideia inicial dos agentes era colher o material genético da filha que o embaixador tinha com Françoise de Souza Oliveira. No entanto, segundo informações do site G1, o exame poderia comprovar que o cadáver é do pai da menina, mas não traria a certeza de que o pai da criança é o diplomata.

Prisão decretada

Na última sexta-feira, a Justiça decretou a prisão temporária por 30 dias de Françoise; seu amante, o PM Sérgio; e de Eduardo Tedeschi pelo assassinato do embaixador. De acordo com a decisão do juiz Felipe Carvalho da Silva, o PM tentou apagar imagens de câmeras de segurança do circuito interno do condomínio onde o diplomata foi morto — e que mostram a remoção do cadáver.

A polícia ainda investiga a participação de mais uma pessoa no crime. Um mototaxista levou Sérgio a um posto para comprar gasolina e levou o PM até o local onde o carro — com o corpo do embaixador — seria incendiado.

Françoise negou ter participado do plano para matar seu marido. Em depoimento, ela responsabilizou seu amante pelo assassinato e disse que “não tinha culpa” e “que não podia evitar” o crime.

tyntVariables = {“ap”:”Leia mais sobre esse assunto em “, “as”: “© 1996 – 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.”}; BRASIL: Polícia quer material genético da mãe do embaixador para identificar corpo

Con Información de OGlobo

www.entornointeligente.com

Síguenos en Twitter @entornoi