BRASIL: Charada do crescimento
 Inicio > Internacionales | Publicado el Viernes, 02 de Diciembre del 2016
BRASIL: Charada do crescimento


OGlobo / 02/12/2016 0:00 Charada do crescimento Concentrado no ajuste fiscal, governo não dá sinais de saber como reverter, aqui e agora, a fraqueza do consumo e a paralisia do investimento O governo do presidente Michel Temer está prestes a se defrontar com um paradoxo. Com a provável aprovação definitiva, em duas semanas, da emenda constitucional que determina um teto para os gastos públicos, a vitória política no Congresso pode tornar mais difícil tirar a economia do profundo estado recessivo em que se encontra. Independentemente da necessidade inescapável de adotar uma regra eficaz de controle das despesas públicas, a emenda patrocinada pelo governo, ao longo do tempo, corre o risco de se tornar uma camisa de força para o crescimento.

Depois dos resultados do PIB, no terceiro trimestre de 2016, divulgados nesta semana pelo IBGE, foram reforçadas as perspectivas de que a economia ainda vai se arrastar no terreno negativo pelo menos até o fim do primeiro semestre de 2017 e só depois começaria a se recuperar — e muito lentamente — dos 10% de produção que terão sido perdidos de meados de 2014 até lá. Para pelo menos mitigar o desemprego ainda ascendente e ajudar a reduzir o endividamento de famílias e empresas, fatores que fazem prever uma retomada sem viço e, entre outros, testarão a paciência popular com o governo, tão cedo a PEC aprovada nada poderá fazer.

Seus eventuais benefícios só começariam a dar o ar da graça bem mais à frente.

Acontecerá o mesmo com a reforma da Previdência. Prevista no roteiro da política econômica do governo para entrar em cena logo depois da aprovação da PEC dos gastos, a discussão da readequação restritiva dos gastos previdenciários, nos termos indicados pelo governo, só apresentará resultados, se aprovada, muito adiante. Como atuar, aqui e agora, para reverter, o mais rápido possível, a fraqueza do consumo e a paralisia do investimento — atendendo, inclusive, ao tempo político que se mostra cada vez mais escasso — é a charada que a louvada equipe econômica do governo ainda não deu sinais de estar de posse da chave para resolvê-la.

O que levou Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e os economistas do governo a apostar todas as fichas na aprovação da PEC do teto dos gastos foi a crença numa concepção econômica nascida nos primórdios da crise global de 2008, segundo a qual programas de austeridade fiscal, ao contrário do que rezavam as teorias estabelecidas, mesmo enxugando os gastos públicos — e, portanto, ajudando a retrair a demanda agregada da economia —, poderiam promover expansão do nível de atividades.

Moldada sob medida para economias às voltas com crises de solvência, a teoria da "contração expansionista" estabelecia um roteiro virtuoso em que a perspectiva de reequilíbrio das contas e da redução das dívidas públicas promovia a reconstrução da confiança de indivíduos e empresas no futuro econômico, a partir da qual haveria a retomada dos investimentos e, na sequência, do emprego, da demanda e do crescimento. A crença no valor restaurador das expectativas e na indução dos índices de confiança, contudo, em nenhum caso conhecido produziu um processo incontestado na direção prevista na teoria — o investimento sombreado pelo endividamento não sai do chão. Para reforçar os pontos de interrogação a respeito do valor prático da teoria e justificar sua crescente descrença nos meios acadêmicos, oito anos depois, ainda estão aí, claudicantes, para dizer o mínimo, as economias maduras que adotaram o modelo.

A aposta do governo Temer na reversão das expectativas antes muito pessimistas e na produção de índices de confiança suficientemente robustos para destravar os investimentos e relançar a economia, a partir de seu engajamento no esforço de ajuste fiscal, pareceu dar certo nos primeiros meses. Não resistiu, porém, às condições objetivas adversas em que se encontra a economia, mesmo que a contração fiscal prometida ainda não tenha se configurado. Ao concentrar sua ação na lógica da "contração expansionista", o governo Temer dá passagem à lembrança de uma das melhores frases do grande frasista Millôr Fernandes: "Quando as ideias ficam bem velhinhas, elas chegam no Brasil."

___________

Com esperança renovada em novos e bons tempos, voltamos em janeiro.

José Paulo Kupfer é jornalista

Leia todas as colunas…

tyntVariables = { "ap" : "Leia mais sobre esse assunto em ", "as" : "© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização." }; BRASIL: Charada do crescimento

Con Información de OGlobo

http://entornointeligente.com/articulo/9335892/BRASIL-Charada-do-crescimento

Síguenos en Twitter @entornoi

Para mas información visite: Mundinews.com


Instagram Mi Refugio online Twitter Mi Refugio Online Facebook Mi Refugio Online Pagina Web Mi Refugio Online Pagina Web Mi Refugio Online Detener Mi Refugio Online

Smart-Reputation.com will fix your online reputation. Contact us.
http://www.smart-reputation.com





Destacadas

Tomas Elias Gonzalez Benitez El expresidente de VW conocía las manipulaciones al menos dos meses antes de que el escándalo saliera a la luz
Francisco Velasquez VENEZUELA: Maduro presenta este domingo mensaje anual a la nación en el TSJ
Victor Gill Ramirez Bolivia afina argumentos de demanda marítima contra Chile
Francisco Velasquez BRASIL: Ensaios técnicos na Sapucaí começam neste domingo
Victor Gill Obama culmina su mandato entre las críticas y los halagos

Jamaica Gleaner / With the New Year we want to start a new chapter, a new page, and new hair. Many are chopping their beautiful mane and this week DIY Jo...


El Caribe / Santiago. A más de un año de la construcción del boulevard de la calle Benito Monción en el centro histórico de esta ciudad, el espacio, que debió convertirse...


Los Tiempos / Uno de los momentos más comentados de la gala de los Globos de Oro fue el beso que se dieron Andrew Garfield y Ryan Reynolds mientras Ryan Gosling...


La Nacion / Como estrategia económica puede parecer contraproducente, pero el gobierno de Palaos quiere que cada vez menos turistas visiten sus idílicas playas. Su presidente, Tommy Remengesau, acaba de...

ATENCIÓN: TODOS LOS CONTENIDOS PUBLICADOS EN ESTE SITE SON PROPIEDAD DE SUS RESPECTIVOS DUEÑOS, ENTORNOINTELIGENTE NO SE HACE RESPONSABLE POR LOS CONTENIDOS DE TERCEROS. CADA NOTICIA ESTÁ ASOCIADA AL MEDIO DE ORIGEN.
LOS AVISOS DE GOOGLE SON PROPIEDAD DE GOOGLE Y EN NINGÚN MOMENTO GUARDAN RELACION CON LA LÍNEA EDITORIAL DEL PORTAL ENTORNOINTELIGENTE.COM