Es necesario que las empresas se preparen para contabilidad electrónica

ENTORNOINTELIGENTE.COM / Hoy en día, sólo un 10 por ciento de las empresas en México se encuentran en posibilidad de cumplir con la presentación de su contabilidad electrónica, obligación que iniciará de forma parcial en octubre y se deberá completar en enero de 2015, señaló Daniel Cañizares, gerente comercial de wFactura. Toda esta información debe presentarse en archivos XML de forma mensual al portal del Servicio de Administración Tributaria (SAT) en su Buzón Tributario, explicó el directivo. Ante esto, la mexicana wFactura presentó su programa eContabilidad.mx, configurado especialmente para que los corporativos cumplan con esta obligación. Omar Gutiérrez, director general de wFactura –proveedor autorizado de certificación (PAC) del SAT−, detalló que este software fue diseñado con tecnología mexicana y un formato para dar cumplimiento cabal a las especificaciones del SAT. Consideró que la disposición del Anexo 24 de la Resolución de la Miscelánea Fiscal para 2014, implica a alrededor de cuatro millones de empresas registradas dentro del padrón de Hacienda, de las cuales el 15 por ciento son grandes contribuyentes. Gutiérrez dijo que muchas trasnacionales ante la escasa oferta en materia de programas de contabilidad electrónica "se han visto obligadas a desarrollar su propio sistema interno con presupuestos que rebasan los 200 mil pesos". Sin embargo, dijo, "estas empresas nos han informado que no tienen la certeza de que su sistema vaya a estar en funcionamiento en la fecha límite para presentarla y cumpla con los requisitos". Comentó que en cuestión de minutos el programa permite generar los XML de balanza de comprobación que incluye: saldos iniciales de todas y cada una de las cuentas de activo, pasivo, capital, resultados de ingresos, costos, gastos y cuentas de orden, entre otros, como lo exige la ley". Consideró que la información que emitirán los contribuyentes morales, permitirá al SAT la recuperación integral del IVA, así como determinar a qué empresas aplicará auditorías y requerimientos. Ello contribuirá al mejor cumplimiento de las obligaciones fiscales en México. El pasado 4 de julio, la Secretaria de Hacienda publicó en el Diario Oficial de la Federación, las nuevas reglas para presentar la contabilidad electrónica, lo que representará la adopción o configuración de programas que cumplan con los requisitos. En octubre deberán presentar su contabilidad provisional. El SAT otorgó una prórroga a enero de 2015 para que presenten el resto de la contabilidad, como sería el reporte de la balanza y el catálogo de pólizas, entre otros aspectos.

Con Información de ENTORNOINTELIGENTE.COM

www.entornointeligente.com

Visite tambien www.mundinews.com | www.eldiscoduro.com | www.tipsfemeninos.com | www.economia-venezuela.com | www.politica-venezuela.com | www.enlasgradas.com | www.cualquiervaina.com | www.espiasdecocina.com | www.videojuegosmania.com

Síguenos en Twitter @entornoi

Ampliar Contenido




ADVERTENCIA: Los anuncios publicitarios del programa Google Adsense han sido deshabilitados en esta noticia por poseer contenido considerado como NO APTO PARA MENORES

 Inicio > Internacionales | Publicado el Miercoles, 24 de Abril del 2013
BRASIL: Apoio tecnológico garante produção agrícola em plena seca
Esta noticia ha sido leída 68 veces

ENTORNOINTELIGENTE.COM / Depois de três anos sem plantação, a comunidade do assentamento rural Antônio Conselheiro, localizada na zona rural de Barra, na Bahia, consegue produzir, apesar da pior seca dos últimos 50 anos na região do Semiárido brasileiro. Desde o ano passado, as famílias têm plantado mandioca, umbu, laranja, caju, milho, abóbora, banana, feijão, acerola e hortaliças com a ajuda de tecnologias implementadas pela Embrapa.

A experiência com o projeto de agricultura familiar em áreas irrigadas também tem beneficiado moradores do assentamento Santo Expedito, na Bahia.

Para receber a equipe responsável pelo projeto, a comunidade liderada pela camponesa Antônia Francisca Guedes, a Toinha de Igarité, preparou uma mesa farta. As 51 famílias esperavam reunidas para mostrar melancia, mandioca, mamão e milho − resultado do trabalho desenvolvido em conjunto com a empresa.

"Queremos levar essa experiência com a muvuca (seleção de várias culturas para plantação) para os quintais. Se cada família levar para o seu quintal, dá para viver sem sair para trabalhar fora. Essa semana já levamos a propaganda da banana para dois mercados", disse Toinha. Além do consumo próprio, as famílias são orientadas a vender o excedente da produção para cooperativas e programas de aquisição de alimentos do governo federal.

De acordo com o pesquisador de sistemas de produção sustentável da Embrapa, Marcelo Romano, a produção do assentamento foi possível por meio do projeto de irrigação. A técnica específica para regiões onde a água é escassa, utiliza métodos pressurizados (aspersão, microaspersão, miniaspersão e gotejamento). A água usada pode ser captada pela chuva, com o uso de cisternas, mas em períodos de escassez pode ser proveniente da distribuição de carros−pipa.

"Com a pesquisa, são testadas variedades de alimentos para avaliar os que melhor se adaptem à região", explica Romano.

Entre as soluções desenvolvidas e adaptadas às condições climáticas do Semiárido estão a produção de variedades de milho mais resistentes ao clima seco da região, técnicas de manejo adequado das culturas e sugestões de diversificação da produção com fruteiras resistentes à seca, agricultura com água biossalina ou salobra para produção de ração animal.

Segundo o analista de transferência de tecnologia da Embrapa, Ildos Parizotto, a metodologia de trabalho teve de ser adaptada à realidade das comunidades de agricultura familiar.

"Temos de usar ferramentas participativas, muito diálogo para estabelecer um clima de confiança entre o pesquisador e o agricultor. Cada grupo tem um tempo de aprendizagem para modificar a questão cultural que hoje é diferente de tudo que ele viveu. Ele esperava a chuva para plantar. Hoje ele quebrou esse paradigma para plantar. Com esse tipo de confiança estabelecida se consegue resgatar um pouco da autoestima, porque ele se vê dependente, marginalizado, excluído", diz.

A pesquisadora Luiza Brito argumenta que as tecnologias esbarram nas limitações financeiras e culturais dos pequenos produtores rurais. "Nossos produtores não são capitalizados para implantar uma das tecnologias com recursos próprios. É aí onde vem a necessidade de políticas públicas para permitir ou garantir uma infraestrutura mínima de captação e armazenamento de água para esses produtores familiares. Aqui, o nosso agricultor é descapitalizado, pobre de informações e tem muitas vezes a sua cultura local".

No contraponto das ações desenvolvidas pela Embrapa, que ajudam a população do semiárido a conviver com a condição climática do Semiárido, Luiza aponta a necessidade de políticas estruturantes ou duradouras para a comunidade local já que a estiagem é um fenômeno cíclico e previsível.

"Além das tecnologias de conviver com essas condições de semiaridez, é necessário também, como ocorre em 2012/20013, tecnologias estruturantes, duradouras, permanentes que suportem dois, três anos de seca. Essas tecnologias que estamos discutindo não têm capacidade de suportar o que está acontecendo", avalia.

Outro ponto defendido por pesquisadores é a necessidade de reforçar a extensão rural, para que as tecnologias desenvolvidas pela Embrapa cheguem a mais famílias rurais no país.

"O trabalho de disseminação das informações sobre as tecnologias geradas depende de uma estrutura mais consolidada de assistência técnica e de extensão rural. No Brasil, desde a década de 80 se assiste a um verdadeiro desmonte dessas estruturas que já foram realmente fortes, principalmente a extensão rural. É preciso fortalecer esse apoio técnico, seja na extensão rural, nas organizações da sociedade civil. Essa estrutura é fundamental para que as informações cheguem e sejam disseminadas", defende o pesquisador da Embrapa da unidade Semiárido Pedro Gama.

Além dos trabalhos desenvolvidos pontualmente por unidades da Embrapa na região do Semiárido, a empresa também atua no plano Brasil Sem Miséria do governo federal. Agricultores e comunidades tradicionais recebem material didático sobre como lidar com os kits de sementes recebidos.

De acordo com a empresa, o folheto explica como as famílias podem produzir e armazenar o produto de seus trabalhos. O material também tem um espaço para ensinar receitas culinárias com a produção dos agricultores. Além disso, o material traz regras para o uso da água. O objetivo é garantir segurança alimentar e nutricional a essas famílias.

Até o momento, as ações em parceria com o Brasil sem Miséria já beneficiaram mais de 19 mil famílias da região nordeste, em 14 Territórios da Cidadania no Semiárido, abrangendo os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe e Rio Grande do Norte. Ao todo, 12 projetos de inclusão produtiva e cinco projetos transversais são executados por todas as unidades da Empresa da Região Nordeste, além da Embrapa Milho e Sorgo (Minas Gerais).

Heloisa Cristaldo www.entornointeligente.com

Síguenos en Twitter @entornoi


SÍGUENOS
Mas noticias en EntornoInteligente.com
tipsfemeninos.com
(Ads By Web24)

La mayoría de los alimentos no es conveniente comerlos diariamente porque...
http://www.pointofpromo.com/
(Ads By Web24)

Looking for promotional products?
http://tipsfemeninos.com
(Ads By Web24)

¿En la mañana? ¿En la tarde? ¿En la noche? conoce en detalle cuál es el mejor momento
TAMBIEN TE PUEDE INTERESAR

¡INSÓLITO! Hallan 12 de barras de oro en estómago de un hombre (Noticiero CualquierVaina 19-05-2014)

¡¡¡INCREÍBLE!!! Agua de Reino Unido contiene cocaína (Noticiero CualquierVaina 13-05-2014)

UNA VAINA LOCA!!! Cubano intentó evitar deportación untándose excremento-CualquierVaina 02-06-2014