Inicio > Internacionales | Publicado el Miercoles, 24 de Abril del 2013
BRASIL: Apoio tecnológico garante produção agrícola em plena seca

BRASIL: Apoio tecnológico garante produção agrícola em plena seca

ENTORNOINTELIGENTE.COM / Depois de três anos sem plantação, a comunidade do assentamento rural Antônio Conselheiro, localizada na zona rural de Barra, na Bahia, consegue produzir, apesar da pior seca dos últimos 50 anos na região do Semiárido brasileiro. Desde o ano passado, as famílias têm plantado mandioca, umbu, laranja, caju, milho, abóbora, banana, feijão, acerola e hortaliças com a ajuda de tecnologias implementadas pela Embrapa.

A experiência com o projeto de agricultura familiar em áreas irrigadas também tem beneficiado moradores do assentamento Santo Expedito, na Bahia.

Para receber a equipe responsável pelo projeto, a comunidade liderada pela camponesa Antônia Francisca Guedes, a Toinha de Igarité, preparou uma mesa farta. As 51 famílias esperavam reunidas para mostrar melancia, mandioca, mamão e milho − resultado do trabalho desenvolvido em conjunto com a empresa.

"Queremos levar essa experiência com a muvuca (seleção de várias culturas para plantação) para os quintais. Se cada família levar para o seu quintal, dá para viver sem sair para trabalhar fora. Essa semana já levamos a propaganda da banana para dois mercados", disse Toinha. Além do consumo próprio, as famílias são orientadas a vender o excedente da produção para cooperativas e programas de aquisição de alimentos do governo federal.

De acordo com o pesquisador de sistemas de produção sustentável da Embrapa, Marcelo Romano, a produção do assentamento foi possível por meio do projeto de irrigação. A técnica específica para regiões onde a água é escassa, utiliza métodos pressurizados (aspersão, microaspersão, miniaspersão e gotejamento). A água usada pode ser captada pela chuva, com o uso de cisternas, mas em períodos de escassez pode ser proveniente da distribuição de carros−pipa.

"Com a pesquisa, são testadas variedades de alimentos para avaliar os que melhor se adaptem à região", explica Romano.

Entre as soluções desenvolvidas e adaptadas às condições climáticas do Semiárido estão a produção de variedades de milho mais resistentes ao clima seco da região, técnicas de manejo adequado das culturas e sugestões de diversificação da produção com fruteiras resistentes à seca, agricultura com água biossalina ou salobra para produção de ração animal.

Segundo o analista de transferência de tecnologia da Embrapa, Ildos Parizotto, a metodologia de trabalho teve de ser adaptada à realidade das comunidades de agricultura familiar.

"Temos de usar ferramentas participativas, muito diálogo para estabelecer um clima de confiança entre o pesquisador e o agricultor. Cada grupo tem um tempo de aprendizagem para modificar a questão cultural que hoje é diferente de tudo que ele viveu. Ele esperava a chuva para plantar. Hoje ele quebrou esse paradigma para plantar. Com esse tipo de confiança estabelecida se consegue resgatar um pouco da autoestima, porque ele se vê dependente, marginalizado, excluído", diz.

A pesquisadora Luiza Brito argumenta que as tecnologias esbarram nas limitações financeiras e culturais dos pequenos produtores rurais. "Nossos produtores não são capitalizados para implantar uma das tecnologias com recursos próprios. É aí onde vem a necessidade de políticas públicas para permitir ou garantir uma infraestrutura mínima de captação e armazenamento de água para esses produtores familiares. Aqui, o nosso agricultor é descapitalizado, pobre de informações e tem muitas vezes a sua cultura local".

No contraponto das ações desenvolvidas pela Embrapa, que ajudam a população do semiárido a conviver com a condição climática do Semiárido, Luiza aponta a necessidade de políticas estruturantes ou duradouras para a comunidade local já que a estiagem é um fenômeno cíclico e previsível.

"Além das tecnologias de conviver com essas condições de semiaridez, é necessário também, como ocorre em 2012/20013, tecnologias estruturantes, duradouras, permanentes que suportem dois, três anos de seca. Essas tecnologias que estamos discutindo não têm capacidade de suportar o que está acontecendo", avalia.

Outro ponto defendido por pesquisadores é a necessidade de reforçar a extensão rural, para que as tecnologias desenvolvidas pela Embrapa cheguem a mais famílias rurais no país.

"O trabalho de disseminação das informações sobre as tecnologias geradas depende de uma estrutura mais consolidada de assistência técnica e de extensão rural. No Brasil, desde a década de 80 se assiste a um verdadeiro desmonte dessas estruturas que já foram realmente fortes, principalmente a extensão rural. É preciso fortalecer esse apoio técnico, seja na extensão rural, nas organizações da sociedade civil. Essa estrutura é fundamental para que as informações cheguem e sejam disseminadas", defende o pesquisador da Embrapa da unidade Semiárido Pedro Gama.

Além dos trabalhos desenvolvidos pontualmente por unidades da Embrapa na região do Semiárido, a empresa também atua no plano Brasil Sem Miséria do governo federal. Agricultores e comunidades tradicionais recebem material didático sobre como lidar com os kits de sementes recebidos.

De acordo com a empresa, o folheto explica como as famílias podem produzir e armazenar o produto de seus trabalhos. O material também tem um espaço para ensinar receitas culinárias com a produção dos agricultores. Além disso, o material traz regras para o uso da água. O objetivo é garantir segurança alimentar e nutricional a essas famílias.

Até o momento, as ações em parceria com o Brasil sem Miséria já beneficiaram mais de 19 mil famílias da região nordeste, em 14 Territórios da Cidadania no Semiárido, abrangendo os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe e Rio Grande do Norte. Ao todo, 12 projetos de inclusão produtiva e cinco projetos transversais são executados por todas as unidades da Empresa da Região Nordeste, além da Embrapa Milho e Sorgo (Minas Gerais).

Heloisa Cristaldo www.entornointeligente.com

Síguenos en Twitter @entornoi



Síguenos




TAMBIEN TE PUEDE INTERESAR


ATENCIÓN: TODOS LOS CONTENIDOS PUBLICADOS EN ESTE SITE SON PROPIEDAD DE SUS RESPECTIVOS DUEÑOS. ENTORNO INTELIGENTE NO SE HACE RESPONSABLE POR LOS CONTENIDOS DE TERCEROS. CADA NOTICIA ESTÁ ASOCIADA AL MEDIO DE ORIGEN. LOS AVISOS DE GOOGLE SON PROPIEDAD DE GOOGLE Y EN NINGÚN MOMENTO GUARDAN RELACIÓN CON LA LÍNEA EDITORIAL DEL PORTAL. ENTORNOINTELIGENTE.COM

Para más información sobre este tema, visite
www.mundinews.com
Secciones de www.mundinews.com

Norteamérica Latinoamérica
Europa Asia
Econoía y Negocios Munditecnología
Munditurismo Mundideportes






Entorno Inteligente en Twitter




Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/entornoi/public_html/cron/widgets_tambien_interesar.php on line 143



La clase Saga de Icelandair, la mejor forma de volar a Islandia

ENTORNOINTELIGENTE.COM / Volar a Islandia puede ser una gran experiencia de cara a la primavera y el verano, y no solo por los bellos paisajes que ofrece este país sino porque podemos hacerlo conociendo la Clase Saga de Icelandair. La compañía aérea bandera de Islandia ofrece una exclusiva cabina situada en la parte delantera del avión para la Clase Saga. Si elige esta categoría para su viaje puede comenzar a vivir una experiencia nueva desde que llegue al aeropuerto gracias a su acceso preferente en facturación y en el embarque. Además, cuando esté abordo recibirá una bebida previa al vuelo, toallas calientes y un edredrón para los viajes nocturnos. Durante el vuelo, podrá disfrutar del servicio de primera calidad ofrecido por nuestro personal de cabina exclusivo, una selección de los mejores vinos y productos gastronómicos, y un kit de viaje en las rutas con América del Norte. Gracias a las filas de 4 asientos con gran espacio para las piernas, podrá trabajar cómodamente o recostarse y descansar hasta llegar a su destino. Asimismo, la clase Saga ofrece gran flexibilidad y una experiencia de viaje caracterizada por su comodidad y servicios. Los asientos son de gran calidad con un espacio más amplio para las piernas de 101 cm / 40". Cada avión cuenta con un máximo de 22 asientos que pertenecen a esta exclusiva clase. Los usuarios también pueden disfrutar de un sistema de entretenimiento abordo, auriculares con reducción de ruido, toma de corriente universal, cómodas almohadas de gran tamaño, prensa, toallas calientes y edredón suave de gran tamaño. En cuanto al servicio de catering, en rutas europeas se ofrece dos platos a elegir y en rutas con América del Norte, una bebida previa al vuelo y kit de viaje. Rutas en España Para verano, Icelandair, la compañía aérea líder en Islandia, cuenta con tres rutas semanales en vuelo directo desde España, desde los aeropuertos de Madrid y Barcelona a Reykjavik. Desde Barcelona, con salida los sábados entre el 7 de junio y el 6 de septiembre, y los martes entre el 8 de julio y el 26 de agosto, y desde Madrid, con salida los sábados entre el 28 de junio y el 6 de septiembre. Con esta programación, la compañía aumenta el número de vuelos respecto al año pasado, situándose en 33 operaciones directas con el país nórdico. Consulta los precios en la página web de la línea aérea, www.icelandair.es, y reserva ya tu viaje a Islandia.

Con Información de ENTORNOINTELIGENTE.COM

www.entornointeligente.com

Visite tambien www.mundinews.com | www.eldiscoduro.com | www.tipsfemeninos.com | www.economima-venezuela.com | www.politica-venezuela.com | www.enlasgradas.com | www.cualquiervaina.com | www.espiasdecocina.com | www.videojuegosmania.com

Síguenos en Twitter @entornoi

Ampliar Contenido