BRASIL: Delatores dizem que JBS pagou a partidos para apoiarem Aécio em 2014
 Inicio > Internacionales | Publicado el Sabado, 20 de Mayo del 2017
BRASIL: Delatores dizem que JBS pagou a partidos para apoiarem Aécio em 2014


Jornal do Brasil / O empresário Joesley Batista, dono da JBS, e o diretor de Relações Institucionais e Governo da empresa, Ricardo Saud, afirmaram em depoimentos à Procuradoria-Geral da República (PGR) que repassaram dinheiro à campanha do então candidato à Presidência da República, Aécio Neves, por meio de caixa 2. Em um dos 15 depoimentos que prestou para fechar acordo de delação premiada, Saud diz que, diante da possibilidade de Aécio vencer a disputa em 2014, a JBS "abriu um crédito de propina que chegou a quase R$ 100 milhões". Segundo o executivo, parte dessa quantia foi usada para "comprar" o apoio de partidos à candidatura do tucano.

"Somando tudo, dá R$ 100 milhões para o Aécio, tudo em propina. Uma parte ele ia pagar a gente de volta, caso ganhasse. Pelo jeito, ficou para a próxima e estou pondo juros e correção. Se ele ganhar na próxima, ele paga", ironiza Saud diante dos procuradores e advogados.

De acordo com o executivo, além de se comprometer a beneficiar a empresa caso chegasse a ocupar o Palácio do Planalto, Aécio teria sinalizado que atuaria junto ao governo de Minas Gerais para favorecer a JBS, que tentava obter a liberação de créditos financeiros, entre outras coisas. De acordo com o executivo, isso também não se concretizou.

Ao depoimento, o diretor anexou cópias de documentos que, segundo ele, comprovam o repasse às legendas. Saud cita nomes, datas e até números de contas bancárias. Entre eles, os de dirigentes partidários cooptados com o dinheiro da empresa.

"Começaram a vender que havia uma expectativa real de que o Aécio podia vencer a eleição, mas para vencer eles precisavam comprar os partidos. Porque os partidos grandes todos já estavam vendidos para o PT. Essas vendas eram feitas uma parte em dinheiro, outra com promessas de ministério ou cargos no governo", alegou Saud.

Em nota, a defesa do senador afastado Aécio Neves afirmou que as declarações são mentirosas. "Todos os recursos da JBS recebidos pela campanha foram doações oficiais e não envolveram qualquer tipo de contrapartida ou de uso de dinheiro público". Os advogados defendem ainda que nunca houve atuação do senador a favor da empresa e "desconhece todas as questões citadas pelo delator relativas a ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços]".

"Em 2014, um total R$ 50,2 milhões foram doados pela empresa ao comitê financeiro nacional e à Direção Nacional do PSDB. Desse total, R$ 30,44 milhões foram repassados para a campanha presidencial e encontram-se devidamente registrados na prestação de contas do partido. Outros R$ 6,3 milhões foram doações feitas a diretórios regionais e candidatos estaduais e R$ 4 milhões doados no período pré-eleitoral, totalizando R$ 60,5 milhões em doações rigorosamente declaradas à Justiça Eleitoral", acrescentam os advogados.

Doações

De acordo com Saud, do "crédito de propina aberto para Aécio", a JBS repassou, por meio de "doações dissimuladas oficiais", R$ 20 milhões para o PTB; R$ 15 milhões para o Solidariedade; R$ 1,3 milhão para o PMN e R$ 1 milhão para o PTdoB. Além disso, a empresa também teria pago pelo apoio do PEN (R$ 500 mil); PPN (R$ 400 mil); PPC (R$ 400 mil); PTC (R$ 250 mil); PTN (R$ 250 mil); PSL (R$ 150 mil); PSC (R$ 100 mil) e PSDC (R$ 50 mil). Os partidos têm negado as acusações de recebimento de doações não oficiais para campanha.

O executivo também disse que Aécio teria pedido R$ 1,5 milhão para o diretório estadual do PMDB no Rio Grande do Sul, onde, apesar da aliança nacional do partido com o PT, a legenda lançou candidato próprio (o atual governador Ivo Sartory). "O Aécio deu R$ 1,5 milhão desse dinheiro de propina para o Sartory, por meio de doação oficial dissimulada", declara Saud no depoimento gravado.

O Democratas também teria sido contemplado com recursos destinados a Aécio Neves, mas o delator não deixa claro quanto foi liberado. Saud mesmo explica aos procuradores que DEM e Solidariedade já faziam oposição ao PT e à candidata à reeleição, Dilma Rousseff. Portanto, segundo ele, seria de esperar que ambos se unissem espontaneamente a Aécio. "De todo jeito, foi prometido para o partido [DEM] R$ 10 milhões, mais a coordenação-geral da campanha para o Agripino Maia". Após relatar uma contrariedade entre Aécio e Maia, Saud não deixa claro quanto exatamente foi liberado ao DEM.

"O Aécio virou uma sarna em cima do Joesley [dono da JBS]. Ligava ele, a irmã dele [Andrea Neves], o primo…[ligavam] para o Joesley, para mim […] pedindo propina, dizendo que estavam devendo demais da campanha", acrescentou Saud.

Já o dono da JBS, Joesley Batista, afirmou em seu depoimento que, mesmo após o fim da campanha de 2014, quando Aécio já tinha sido derrotado, o tucano continuou lhe pedindo dinheiro. Os supostos pedidos teriam cessado entre 2016 e fevereiro de 2017, quando Joesley afirma ter voltado a se encontrar com Andrea Neves, que teria lhe pedido R$ 2 milhões para que o tucano pagasse despesas com seu advogado, Alberto Toron, na defesa dos processos da Lava Jato.

Joesley contou aos procuradores que, após algum tempo, se reuniu com o próprio Aécio, em São Paulo, e acertou o pagamento da quantia em quatro prestações de R$ 500 mil. Joesley gravou esse encontro com Aécio. No áudio entregue ao MPF, o empresário combina a entrega da quantia.

A defesa de Aécio confirma que o senador afastado pediu R$ 2 milhões a Joesley, mas como um empréstimo. Em nota, os advogados acrescentam que "foi proposta, em primeiro lugar, a venda ao executivo de um apartamento de propriedade da família. O delator propôs, entretanto, já atendendo aos interesses de sua delação, emprestar recursos lícitos".

"Não fosse a intenção do delator, única e exclusivamente, gravar as conversas em benefício próprio, teria essa transferência sido feita naturalmente e regularizada, através de contrato de mútuo, para que o acordo com os advogados pudesse ser concretizado posteriormente". A defesa acrescenta que o pedido de empréstimo foi feito sem a oferta de qualquer contrapartida "e sem qualquer ato, por parte do senador, que possa ser considerado ilegal".



BRASIL: Delatores dizem que JBS pagou a partidos para apoiarem Aécio em 2014

Con Información de Jornal do Brasil

http://entornointeligente.com/articulo/10001347/BRASIL-Delatores-dizem-que-JBS-pagou-a-partidos-para-apoiarem-Aeacute;cio-em-2014

Síguenos en Twitter @entornoi

Para mas información visite: Mundinews.com


Instagram Mi Refugio online Twitter Mi Refugio Online Facebook Mi Refugio Online Pagina Web Mi Refugio Online Pagina Web Mi Refugio Online Detener Mi Refugio Online





Otras noticias de interés
KFC invertirá 90 millones para sumar 200 locales en España
Viajar puede mejorar la salud, conozca 10 beneficios.
¿Ha funcionado la fase pedagógica del nuevo Código de Policía en Cali?
"A los que hacemos teatro en Cali nos convirtieron en personajes de Kafka"
Ecuador volará en el Mundial de Parapente en Italia
COLOMBIA: "Acuerdo con los cuatro países del Pacífico va más allá de lo comercial": Mincomercio
ARGENTINA: Tragedia en Pakistán: volcó un camión con petróleo, explotó y mató a 148 personas
Vinotinto Sub20: Con el objetivo de clasificar a un mundial de mayores?
"La apatía de los honrados favorece a los delincuentes": Secretario de Seguridad
Las oportunidades claves para el Valle con la Cumbre Alianza del Pacífico
COLOMBIA: ¿Surgieron nuevos grupos armados?, la alerta que aún suena tras el atentado en Bogotá
'Solteronas', un estigma con más beneficios que perjuicios
VENEZUELA: "Si el PSUV tuviese capacidad, ya hubiéramos superado la crisis"
Teatro Experimental de Cali, un lugar para la utopía
COLOMBIA: Con el Eln no habrá cese al fuego bilateral: Juan Camilo Restrepo
Ambulatorios municipales requieren insumos médicos
VENEZUELA: Albania elige su nuevo Parlamento con la vista puesta en una reforma judicial
365 días sin el estruendo de la guerra: así ha sido el primer año del cese el fuego bilateral
VENEZUELA: Andrus se fija como meta llegar a 50 bases robadas
COLOMBIA: El 'golpe' a la legitimidad de la OEA que reveló la crisis de Venezuela
Destacadas

Tomas Elias Gonzalez Benitez Padrino López denuncia que atacar bases militares es una afrenta a la FANB
Francisco Javier Velasquez Corea del Sur exige a régimen de Kim Jong-un la liberación de sus ciudadanos y a estadounidenses presos
Francisco Javier Velasquez Erdogan asegura que ultimátum contra Qatar es contrario al derecho internacional
Victor Gill Presidente Maduro designa nuevos jefes de las REDI
Francisco Velasquez Las jugadas de Luisa Ortega Díaz ponen en jaque al gobierno
Francisco Velasquez Pdvsa anuncia acciones legales en Portugal por lavado de dinero
Francisco Velasquez Difunden foto de los estudiantes detenidos en la cárcel de El Dorado
Tomas Gonzalez Conmemoraron 300 años del nacimiento de la masonería

Los Tiempos / Luego de lograr la 66ª pole de su carrera de ayer en Bakú, el británico Lewis Hamilton (Mercedes) tiene ante sí una ocasión de oro hoy para aproximarse...


Perfil / ?La indemnización se fijará en una libra exacta de vuestra hermosa carne, para ser cortada y quitada de la parte de vuestro cuerpo que me plazca.? William Shakespeare...


Los Tiempos / La celebración de los 191 años de vida de la Policía a la que asistió el presidente Evo Morales, se vio empañada por la explosión de una granada...


Los Tiempos / La deportista quedó detrás de la ecuatoriana Paola Pérez, quien completó la prueba en 1h32'26''. Sólo tres segundos después, parando el cronómetro en 1h32'35''20, Castro cruzó la meta...

ATENCION: TODOS LOS CONTENIDOS PUBLICADOS EN ESTE SITE SON PROPIEDAD DE SUS RESPECTIVOS MEDIOS, ENTORNOINTELIGENTE NO SE HACE RESPONSABLE POR LOS CONTENIDOS DE TERCEROS. CADA NOTICIA EST� ASOCIADA AL MEDIO DE ORIGEN.
LOS AVISOS DE GOOGLE SON PROPIEDAD DE GOOGLE Y EN NINGUN MOMENTO GUARDAN RELACION CON LA LINEA EDITORIAL DEL PORTAL ENTORNOINTELIGENTE.COM